Left off-canvas

An off-canvas can hold any content you want.

Close this off-canvas by clicking on the backdrop or press the close button in the upper right corner.

 

Some details

  • Width
    240px
  • Height
    100%
  • Body scroll
    disabled
  • Background color
    Default

Serviços de Saúde: Rubéola diagnosticada em grávida

Os Serviços de Saúde foram notificados, na noite de 31 de Maio, do diagnóstico de um caso de rubéola, durante a gravidez.

Perante esta situação os Serviços de Saúde alertam todos os profissionais de saúde, instituições de saúde, público e em especial, mulheres grávidas que não tenham sido vacinadas com vacina tríplice (MMR) para que tenham a máxima precaução e procedam com a vacinação.

Este alerta é reforçado para as mulheres que não tenham sido vacinadas e que tenham intenções de engravidar que se desloquem aos Centros de Saúde para administrarem a vacina no mais curto espaço de tempo além de deverem suspender as medidas de contracepção três (3) meses após a vacinação.

O caso de rubéola foi diagnosticado numa grávida de 14 semanas, 32 anos de idade, residente de Macau, que vive em Zhuhai, e trabalha no StarWorld Hotel Casino. No dia 30 de Maio, à tarde, manifestou as erupções cutâneas nos peitos e teve dor de garganta. Na manhã de 31 de Maio a doente manifestou erupções cutâneas que se espalharam por todo o corpo e recorreu ao Serviço de Urgência do CHCSJ. No mesmo dia, os resultados dos testes laboratoriais, através de PCR, revelaram positividade à Rubéola. A doente apesar de manifestar, ainda, erupções cutâneas com estado de saúde estável.

De acordo com a investigação a doente viajou para Hong Kong durante o período de incubação. Esta mulher nasceu em Macau, mas viveu e estudou no Interior da China até ter regressado ao território para trabalhar em 2012. A mulher nunca este em mMacau para ser vacinada, nem foi vacinada contra a rubéola no Interior da China.

Os familiares não apresentaram sintomas semelhantes.

Durante a realização dos exames pré-natais a doente foi informada que não possuia imunidade contra a rubéola. Os Serviços de Saúde já instruíram o hospital para que os obstetras e ginecologistas acompanhem de perto o estado de saúde da doente e acompanhem o estado de saúde das pessoas que tiveram contacto com ela durante o início da doença.

A Rubéola é uma doença transmissível aguda do trato respiratório provocada pela infecção da Rubéola e transmite-se principalmente através do contacto com as secreções do nariz e da garganta dos doentes, propagando-se a infecção mediante a inalação de gotículas de saliva ou contacto directo com doentes.

O período de incubação varia de 12 a 23 dias, sendo normalmente de 14 dias. A Rubéola possui alta contagiosidade.Uma semana antes de apresentar exantema os doentes podem já estar contagiados. As crianças infectadas apresentam febre, exantema corporal e inflamação dos gânglios linfáticos, enquanto os adultos apresentam dores de cabeça, tosse ligeira, conjuntivite e 1 a 5 dias de febre ligeira, surgindo, em seguida, também erupção na pele, como nas crianças, até 5 dias. Alguns dos infectados não manifestam erupção cutânea.

ALERTA IMPORTANTE: as grávidas, sem anticorpos, caso sejam infectadas pela Rubéola nas primeiras 16 semanas do parto, podem causar aborto, morte fetal ou os recém-nascidos apresentarem síndroma da Rubéola congénita. As manifestações da síndroma da Rubéola congénita abrangem surdez, defeitos oculares, doença cardíaca congénita ou retardo mental, entre outras.

As mulheres que nasceram em 1975 e completaram o ensino primário em Macau já foram vacinadas contra a rubéola. As mulheres em idade fértil que não foram vacinadas nasceram em países estrangeiros ou em Macau mas não concluíram o Programa de Vacinação de Macau. Em 2001, os Serviços de Saúde começaram a promover a inoculação da vacina tríplice (MMR) às mulheres em idade fértil, sendo vacinação gratuita para as que não foram vacinadas na infância.

As mulheres em idade fértil que não foram vacinadas podem recorrer aos Centros de Saúde para vacinação gratuita e as mulheres vacinadas que pretendam planear uma gravidez devem deslocar-se aos Centros de Saúde para marcar uma consulta externa de planeamento familiar para verificar se têm imunidade contra a rubéola.

Devido à situação epidémica crítica da rubéola em áreas vizinhas, em Macau foram registados mais casos. Em Abril foram diagnosticados 29 casos e em Maio foram diagnosticados 21 casos. A maioria dos infectados nasceu no exterior e não foi registado nenhum caso em mulheres nascidas após 1975 e que tenham completado o ensino primário em Macau.

De forma a prevenir a infecção da rubéola, os Serviços de Saúde recomendam as seguintes medidas à população:

  1. A inoculação da vacina tríplice (MMR) é a maneira mais eficaz de prevenir o vírus da Rubéola, mais de 95% dos vacinados podem produzir anticorpos. Os Serviços de Saúde apelam aos pais para o cumprimento do Programa de Vacinação, devendo os residentes com idades compreendidas entre um (1) e os 17 anos para cumprir o Programa de Vacinação dos Serviços de Saúde. Após um (1) ano de idade e depois da primeira dose, deve ser administrada a 2.ª dose da vacina MMR. Os indivíduos residentes de Macau que ainda não tenham sido vacinados podem recorrer aos centros de saúde para administração da vacina gratuitamente. As mulheres em idade fértil que não tenham tido rubéola, ou não tenham sido vacinadas contra rubéola, devem deslocar-se ao Centro de Saúde para lhes ser administrada a vacina, sendo esta gratuita para os residentes de Macau.
  2. Dado que a vacina MMR é uma vacina viva, as mulheres grávidas não podem ser vacinadas, e as mulheres em idade fértil devem evitar engravidar durante três meses após a vacinação. Mulheres grávidas ou com intenção de engravidar sem imunidade contra Rubéola não são aconselhadas a viajar a zonas afectadas pela Rubéola;
  3. Não viajar com crianças que não tenham completa imunidade para viajar ao exterior ou para lugares lotados com visitantes;
  4. Determinadas pessoas devem ser vacinas quando necessário, em especial cuidadores de gestantes;
  5. Prestar atenção à cortesia do tracto respiratório, não tocar nos olhos, nariz e boca antes de lavar as mãos;
  6. Pessoas imuno-comprometidas devem evitar deslocar-se a locais lotados ou instituições médicas;
  7. Em caso de manifestação de sintomas suspeitos, usar máscara e recorrer a uma consulta médica.

Em caso de dúvidas, os residentes podem aceder à página electrónica dos Serviços de Saúde (http://www.ssm.gov.mo) ou ligar para a linha verde 2870 0800



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar