Serviços de Saúde: Índices de propagação de mosquitos (ovitrap) de Maio

Os Serviços de Saúde registaram em Maio uma média do índice de propagação de mosquitos (ovitrap) de 47,4%, um valor mais alto do que o valor registado em Abril (34,3%). Os dados mostram que a propagação de doenças transmitidas por mosquitos, como a dengue, aumentou ainda mais em Macau, razão pela qual é feito um forte apelo aos residentes para manterem a higiene ambiental e tomarem medidas anti-mosquitos, do modo de eliminar a proliferação de mosquitos e de larvas e prevenir a proliferação da febre de dengue.

Com o intuito de acompanhar a actividade de proliferação e a distribuição dos mosquitos Aedes Albopictus, os Serviços de Saúde desde 2002 têm instalados 890 mecanismos de vigilância da reprodução de mosquitos (ovitrap) que permitem a recolha mensal de dados para o cálculo da taxa de positividade e os índices.

De acordo com Índices de propagação de mosquitos (ovitrap) de Maio de 2019, o valor médio de Macau foi de 47,4%, e o índice aumentou ainda mais com comparação com o valor de 34,3% registado em Abril, mas ainda é um valor semelhante ao valor médio do período homólogo registado desde 2002 (49,9%).

Na Península de Macau foi registado um valor elevado em particular nos bairros do Porto Interior e na zona de Tap Seac, com 48,4% e 47,7%, respectivamente. Nas Ilhas, o valor mais elevado foi registado em Coloane atingindo os 78,6%. (Tabela I)

Em Macau, desde o início do ano, foram registados 3 casos de febre de dengue todos importados do Sudeste Asiático.

Dado que a Região Administrativa Especial de Macau tem registado a ocorrência de chuvas e existem inúmeros recipientes, ao ar livre, propensos à acumulação de água, a possibilidade de multiplicação de mosquitos é muito elevada. Ou seja, com condições climatéricas favoráveis, níveis epidémicos elevados nas regiões vizinhas, o risco de ocorrência de casos de febre de dengue e a sua propagação é elevado.

Os Serviços de Saúde perante o cenário de risco apelam, de um modo geral, a todos os residentes para prestem a máxima atenção à higiene ambiental e também às medidas de prevenção anunciadas, como eliminação de água estagnada no domicílio ou local de trabalho, eliminando a proliferação de mosquitos e de larvas, bem como a instalação de redes mosquiteiras nas janelas ou uso de mosquiteiros e de ar condicionado.

Os cidadãos que viajem para locais com surtos de febre de Dengue, em especial países do Sudeste Asiático, devem vestir roupa de mangas compridas de cor clara, durante as saídas ao ar livre, aplicar repelente antimosquitos nas partes expostas do corpo, para evitar picadelas de mosquitos, e em caso de sintomas de febre, erupção cutânea e outros sintomas suspeitos de febre de Dengue, devem recorrer atempadamente à assistência médica e informar o médico do historial de viagem.

Os Serviços de Saúde apelam, também, a todos os médicos para estarem atentos a pacientes suspeitos de febre de dengue, bem como procederem à respectiva declaração e teste atempadamente.

O Laboratório de Saúde Pública dos Serviços de Saúde proporciona, de forma gratuita, o teste da febre de dengue a todas as instituições médicas. Para mais informações, os residentes podem ligar para a linha de doenças transmissíveis dos Serviços de Saúde n.º 28 700 800 ou consultar as informações de doenças transmissíveis no sítio electrónico dos Serviços de Saúde http://www.ssm.gov.mo/csr/.

(VER TABELA ANEXA)



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar