Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus apela à tranquilidade das pessoas: não há razões para preocupações – Diagnosticados dois casos de pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus (COVID-19)

Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus manifestou confiança na estabilidade na segunda fase da epidemia

O Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, divulgou hoje em conferência de imprensa que os resultados dos três testes de acido nucleico realizados aos 57 residentes de Macau que foram retirados de Hubei, foram negativos. As pessoas não manifestaram sintomas. O período de incubação de 14 dias fica concluído sexta-feira (dia 20), e a partir de sábado podem iniciar o isolamento preventivo em casa com a duração de 14 dias. Também os profissionais de saúde, o pessoal da Direcção dos Serviços de Turismo e a tripulação em voo fretado não manifestaram nenhum problema. Isto significa, de acordo com o Dr. Lei Chin Ion, que a operação decorreu com sucesso. O Director dos Serviços de Saúde agradeceu a todos indivíduos o esforço assistência do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na Região Administrativa Especial da RAEM e dos departamentos competentes do Interior da China.

O Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion referiu ainda que devido à pandemia os trabalhos preventivos estão a ser dificultados pelos surtos epidémicos de outros países e o foco deixou de ser só o território. Nos últimos 4 dias foram registados 7 casos o que levantou alguma preocupação entre os residentes, mas estes sete casos foram todos casos importados: três (3) foram detectados nos postos fronteiriços e dois (2) foram detectados nos primeiros dias de isolamento em casa, com sintomas leves e com poucos indivíduos de contacto próximo. Ou seja, as medidas de prevenção epidémicas estão a alcançar bons resultados. “Havia a noção, no Centro de Controlo que o trabalho na primeira fase começou e decorreu sem problemas e havia confiança de que a situação epidémica no segundo estágio seria rapidamente estabilizada. O mais importante é que os residentes devem cooperar com o trabalho do Governo, e não há razões para preocupações, porque o Governo tem planos devidamente preparados. Macau dispõe de 232 camas padrão de isolamento de pressão negativa no Centro Hospitalar Conde de São Januário, há profissionais de saúde e planos suficientes. As várias medidas antiepidémicas serão continuamente actualizadas para reduzir o risco de surtos na comunidade.

As medidas de entrada em Macau através dos postos fronteiriços e da prevenção de epidemias em Macau serão continuamente actualizadas em resposta a mudanças na situação epidémica e não está excluída a possibilidade de aplicação de medidas preventivas mais rigorosas se houver necessidade. Como os sete (7) novos casos foram diagnosticados nos últimos 4 dias e mais da metade dos doentes são os trabalhadores não residentes locais e pessoas das suas relações a entrada o Governo da Região Administrativa Especial de Macau proibiu a partir das 00:00 horas do dia 19 de Março a entrada de todos os portadores de Título de Identificação de Trabalhador Não-residente (TI/TNR) à excepção dos TNR portadores de cartão residente do Interior da China, da Região Administrativa Especial de Hong Kong e de Taiwan.

O Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion enfatizou que, perante a epidemia, todos os países ou regiões no mundo estão a tomar medidas que impedem a entrada de estrangeiros, porque todos os países ou regiões têm a responsabilidade de proteger os seus residentes. Caso não haja essa prioridade haverá injustica e danos aos residentes. Portanto, as novas medidas são não discriminatórias. Aliás convém reforçar que se por um lado os dados divulgados e publicados na China são confiáveis, por outro lado, os dados relativamente escassos e o numero de casos reduzidos no sudoeste asiático em comparação com outros países e o facto de serem diagnosticados casos em trabalhadores não residentes dessas áreas leva a crer que existem muitos casos ocultos nesses países. Nos últimos dias, foram registados muitos casos importados no Japão e em Macau, o que pode denunciar que a situação epidémica nos países de origem, desses indivíduos, deve ser bastante grave.

Prevê-se que, nos próximos meses haja um grande número de estudantes a regressar a Macau, assim, as autoridades continuam a manter o alvo de proteger a saúde dos residentes de Macau.

O Dr. Lei Chin Ion sublinhou que neste contexto há uma forte possibilidade de ocorrerem surtos comunitários, isso não pode ser descartado. O Governo da RAEM tudo fará para proteger a vida dos seus residentes. O trabalho de prevenção de epidemias em Macau depende da cooperação dos residentes na implementação de medidas com mais eficácia. Todos os residentes cooperar, no seu próprio interesse e responsabilizar­‑se na cooperação com o trabalho preventivo das autoridades.

O Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Dr. Lei Wai Seng, divulgou detalhes sobre o diganostico, no dia 19 de Março, de dois novos casos de pneumonia por novo coronavírus, ou seja, no total já foram confirmados em Macau 17 casos, os 10 primeiros doentes confirmados recuperaram e tiveram alta hospitalar. Actualmente, os sete (7) doentes confirmados na enfermaria de isolamento do Centro Hospitalar Conde de São Januário estão em boas condições, dos quais 13º caso está com febre baixa e o doente do 12.o caso está com hipóxia leve e sem dificuldades respiratórias, e melhoraram após o uso de oxigénio de baixo fluxo. Os outros doentes não manifestaram febre, nem dificuldades respiratórias.

Nas últimas 24 horas, no Serviço de Urgência do CHCSJ foram registados 73 casos suspeitos que foram submetidos a exames. 3 casos foram diagnosticados, 48 casos já foram excluídos e 22 casos suspeitos o resultado do teste ainda está pendente. 46 casos analisados no Hospital Kiang Wu foram submetidos à análise laboratorial, dos quais 40 foram excluídos e 6 com resultado pendente. Foram avaliados 19 casos com febre baixa ou com sintomas de tracto respiratório superior nos Serviços de Urgência do CHCSJ e do Hospital Kiang Wu que necessitam de ser enviados para analises.

Em Macau, no total, foram registados, até agora, 2.627 casos suspeitos, 2.582 casos já foram excluídos. Há 28 casos com o resultado do teste pendente. Nas últimas 24 horas, foram analisadas pelo Laboratório de Saúde Pública 317 amostras, incluindo as que foram avaliadas de 19 casos com febre baixa ou com sintomas de tracto respiratório superior nos Serviços de Urgência do CHCSJ e do Hospital Kiang Wu. Foram registados 105 indivíduos de contacto próximos e 74 casos concluíram o isolamento preventivo.

89 pessoas estão em isolamento no Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane, incluindo um que está em período de convalescença e em boa saúde. 31 pessoas foram identificadas como contactos próximos.

A Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da doença, Leong Iek Hou, indicou ontem (dia 18 de Março), foi registada a entrada em Macau de 596 pessoas que necessitam de observação medica, incluindo, 405 residentes de Macau, 186 não residentes de Macau, 5 outras pessoas. No total acumulado de observação medica há 1.249 pessoas. Estão, ainda, a receber a observação médica, 1.183 pessoas dos quais, 729 pessoas estão em observação médica no domicílio, 434 em observação médica no hotel, e 20 pessoas estão a ser observadas na Urgência especial devido à apresentação de sintomas.

Sobre o doente do 15º caso a Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da doença, Leong Iek Hou, referiu que é um um trabalhador não residente, filipino, de 31 anos, com a residência na Rua do Padre António Roliz, n.º 25B, Edf. LOI HUNG. No dia 16 de Março, às 06:50, partiu das Filipinas, apanhou o voo HX782 (lugar n.º 41K)de Hong Kong Airlines, e chegou em Hong Kong às 09:30, entrou em Macau através da Ponte Hong Kong- Zhuhai- Macau. No dia 17 de Março, à noite, devido ao dor de dentes, foi a pé ao Hospital Kiang Wu para a consulta e regressou a casa imediatamente. Três (3) amigos e duas (2) amigas são considerados contacto próximo. Três 3 apresentaram sintomas de febre e foram encaminhados ao Centro Hospitalar Conde de São Januário. O primeiro teste foi negativo e irá ser realizado o segundo teste após 48 horas. Estes indivíduos estão em observação médica no Centro Clínico de Saúde Pública. O contacto geral do doente do 15º caso é o condutor e passageiros do autocarro dourado que o doente apanhou em 16 de Março, às 09:30, a taxista que transportou o doente a casa, as 12 pessoas que estiveram na mesma sala de consulta da Urgência Especial do Hospital Kiang Wu, e 7 trabalhadores do Hospital Kiang Wu.

O 16º Caso é uma residente de Macau, de 19 anos, estudante no Reino Unido e negou ter visitado instituições médicas locais ou contactado com as pessoas com sintomas semelhantes. Em 15 de Março, a doente viajou com quatro (4) colegas (2 residentes de Macau e 2 residentes de Hong Kong), no voo n.º SQ317 de Singapore Airlines (lugar da doente: n.º 64H) com partida no aeroporto de Heathrow (Londres) e destino Singapura. Depois, viajaram no voo n.º SQ856 (lugar da doente: n.º 40B) de Singapore Airlines, de Aeroporto de Singapura com destino Aeroporto Internacional de Hong Kong. Em 16 de Março, à tarde, fretou um carro e entrou a Macau via a Ponte Hong Kong- Zhuhai- Macau. Naquele momento, não manifestou quaisquer sintomas, febre ou indisposição, os agentes dos Serviços de Saúde, conforme as medidas daquela altura, solicitaram à doente a realizar a observação médica no domicílio por 14 dias.

A doente declarou que pretendia efectuar a observação médica no domicílio (Jardim Nova Taipa, bloco 20), entre o dia 16 de Março e dia 18 de Março, fazendo o auto-isolamento, sem contacto com os três (3) familiares. Em 18 de Março, os testes das amostras de garganta enviadas pela doente revelaram positivo e a doente imediatamente foi encaminahda à Urgência Especial do C.H.C.S.J. para a realização de teste de zaragatoa nasofaríngea, onde obteve o resultado na madrugada de 19 de Março. O estado clínico da doente é normal, não teve indisposição e quando foi internada, não teve sintomas óbvios na tomografia computadorizada de tórax. Os quatro colegas (2 residentes de Macau e 2 residentes de Hong Kong) foram considerados como o contacto próximo, dos quais, dois (2) colegas de Macau foram submetidos a isolamento no Centro Clínico de Saúde Pública, no Alto de Coloane, para a observação médica. Os dois (2) residentes de Hong Kong foram enviados aos serviços de saúde de Hong Kong e do Interior da China ( um colega de Hong Kong está no Interior da China). O contacto geral da doente são, três (3) familiares (os pais e o irmão mais novo) que vivem com a doente.

A Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da doença, Leong Iek Hou apela aos passageiros que apanharam os dois voos com esta doente, devem contactar o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, e até agora, há um passageiro do voo n.º SQ 317contactou com o Centro referido, dado que este passageiro sentou-se num lugar longe da doente, por isso, é considerado como o contacto geral.

O doente do 17º caso tem 11 anos, estudante, filho da doente do 14º caso, familiar que acompanha o trabalhador não residente nacional da Indonésia, vive no Prince Flower City, bloco 3, Taipa. De 11 de Fevereiro a 17 de Março, o doente e os seus pais estiveram na Indonésia, viajaram no dia 17 de Março, de Jacarta (Indonésia) (Voo n.º CX718, lugar do doente: n.º 47F, Cathay Pacific) com destino a Hong Kong. O doente efectuou a ligação a Macau usando o autocarro dourado da Ponte Hong Kong- Zhuhai- Macau. Devido à febre, a mãe do doente foi reencaminhada ao C.H.C.S.J. via ambulância, o doente e o seu pai não manifestaram, na altura, afebre ou outros sintomas, os agentes dos Serviços de Saúde, conforme as medidas daquela altura, solicitaram-lhes realizar a observação médica no domicílio. Em 18 de Março, a mãe do doente foi diagnosticada como o caso confirmado, o doente e o seu pai foram considerados como o contacto próximo. Na tarde do dia 18 de Março, o pai do doente apresentou a febre, por isso, eles foram encaminhados ao C.H.C.S.J. para a realização de teste. O teste do novo tipo de coronavírus (COVID-19) do filho resultou positivo e foi diagnosticado como um caso confirmado na madrugada de 19 de Março.

O estado clínico da doente é normal, não houve sintomas óbvios na tomografia computadorizada de tórax, sem sintomas de infecção do trato respiratório superior tais como dor de garanta, tosse e corrimento nasal. O pai do doente é considerado como o contacto próximo, o resultado do primeiro teste foi negativo e irá ser submetido ao segundo teste após 48 horas. A autoridade está a contactar com um taxista (contacto geral ) que transportou o doente em causa.

A Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da doença, Leong Iek Hou afirmou que a observação médica domiciliária tem orientações claras e está publicada nas versões chinesa, inglesa e portuguesa na página electrónica especial contra epidemias (Notas importantes sobre a observação médica domiciliária). O conteúdo das notas importantes indica as condições mais importantes para avaliar o indivíduo para o isolamento domiciliário, incluindo a existência ou não de quartos individuais e a exigência de que o indivíduo deve permanecer no domicílio, não sair ou trabalhar, ou evitar, tanto quanto possível o contacto com a família e recusa de visitas.

Para garantir a saúde das pessoas envolvidas, as autoridades recolhem saliva da laringe para testes no segundo e no décimo segundo dia de observação médica domiciliária. Esta medida é mais rigorosa do que a das regiões vizinhas, pois é necessário assegurar que ambas análises sejam negativas e que, através de 14 dias de observação médica, as pessoas podem regressar à vida normal da sociedade e evitar o risco de transmissão na comunidade. Durante este período, os Serviços de Saúde através de diversos contactos a qualquer momento vão recolher dadosdo estado de saúde, lembrando-o repetidamente que deve ficar no domicílio. O pessoal do Corpo de Polícia de Segurança Pública procede à verificação em qualquer tempo a situação de isolamento domiciliário. A prática está em conformidade com a lei, caso violem as normas de observação médica domiciliária, todos os indivíduos podem ser punidos com a pena de prisão até 6 meses ou 60 dias de multa nos termos da Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis. Daí que haja uma sensibilização para o cumprimento das disposições, reduzindo o risco de disseminação de vírus. Se forem detectadas anomalias, podem ser ajustadas as medidas de isolamento domiciliário.

Foi ainda revelado que as autoridades já ajustaram os dados necessários à declaração de saúde dos pontos de entrada, a fim de identificar se os indivíduos que entram em Macau provém do Interior da China ou do exterior e a declaração de saúde também será imediatamente actualizada. A inspecção que existe actualmente no posto fronteiriço está dividida em duas partes: exame médico e observação médica. A aplicação desta medida será feita em todos os postos fronteiriços de Macau, por pessoas que tenham estado em regiões de alta incidência do Interior da China dentro de 14 dias ou por residentes de Macau devido a deslocações diárias frequentes e fora do normal entre Macau e Zhuhai, irão submeter a exame médico. Actualmente, as pessoas que precisem de ser submetidas a exame médico serão encaminhadas para o Fórum ou o Terminal Marítimo da Taipa para realização de exames médicos. No que diz respeito às pessoas que tenham viajado para outros países e regiões além da China, estas necessitam de serem submetidas a observação médica. Os exames médicos e a observação médica são determinados de acordo com o risco de transmissão da doença, ou seja, a província de Hubei que era uma zona de alto risco, pelo que, quando os residentes de Hubei e os residentes de Macau que tenham deslocado à província de Hubei tinham de apresentar um atestado de saúde que certifica não ter infecção pelo novo tipo de coronavirus. Actualmente, a epidemia está amanifestar-se em países e regiões fora da China, pelo que as pessoas que regressam a Macau de países e regiões fora da China são submetidas a exames médicos de alta qualidade, aplicando-se 14 dias de observação médica.

A situação epidemiológica do Interior da China começou a aliviar pelo que é aplicado a medida de exame médico. Os Serviços de Saúde vão proceder à recolha de amostras para o teste aos indivíduos que se submetam a isolamento domiciliário, o pessoal dos serviços de saúde só irá recolher amostras durante o dia. São dois trabalhadores vestidos com uniforme dos Serviços de Saúde.

A Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da doença, Leong Iek Hou afirmou que Macau está a enfrentar a gravidade dos casos importados de países e regiões fora da China e caso não sejam tomadas medidas de controlo da emigração pode levar a que o vírus seja introduzido em Macau, resultando em casos locais e propagações. Com a adopção de medidas rigorosas de entrada, o Governo da RAEM acredita que o risco será reduzido significativamente. Alerta-se que o regresso de residentes possa importar alguns casos, mas o governo tomou medidas fortes e de isolamento para reduzir significativamente o risco de transmissão. Apela-se para que os cidadãos não fiquem preocupados e sigam as orientações de prevenção do Governo: é importante não sair de Macau, porque no caso de ser infectado irá causar pressão no sistema de saúde.

A Chefe do Departamento, Dra Inês Chan afirmou que actualmente, o número de residentes de Macau e seus familiares acompanhantes na província de Hubei que pediram ajuda totalizam 112. Hoje (dia 19 de Março), na página electrónica da Direcção do Ensino Superior para a inscrição para a necessidade de transporte exclusivo do Governo, existem 253 estudantes ou residentes de Macau que regressam a Macau do Aeroporto Internacional de Hong Kong, tendo o Governo efectuado ao transporte para Macau em cinco vezes. Actualmente, 304 pessoas estão sujeitas à medida de isolamento no Hotel “Pousada Marina Infante” e 282 pessoas no “Golden Crown China” e 10 no Hotel “Regency Art”, totalizando 596 pessoas. Relativamente às pessoas que se submetem a observações médicas nos três hotéis, 152 são trabalhadores não residentes e 444 são residentes de Macau ou turistas.

O Chefe do Departamento da DSEJ, Wong Kim Mou afirmou que a segurança de saúde dos alunos tem sido a principal consideração da autoridade, tendo em conta a evolução da situação epidemiológica, e com base nas opiniões das autoridades de saúde e na avaliação contínua do impacto dos casos importados e de regresso de pessoas para Macau, a organização original feita para o ensino não superior que considerava a possibilidade de regresso à escola dos alunos do 3° ano do ensino secundário complementar, para apoio e revisão de matérias, a partir de 30 de Março e o reinício faseado das actividades lectivas a partir de 13 de Abril, será adiada.

O Governo irá continuar a monitorizar e analisar o desenvolvimento da epidemia, de acordo com as provas científicas e de acordo com as opiniões profissionais das autoridades de saúde, proceder-se-á ao ajustamento do plano de reinício das aulas cuja data concreta será dada a ser anunciada posteriormente.

O Chefe do Departamento da DSEJ, Wong Kim Mou sublinhou que, devido ao número de dias de suspensão das aulas em face à epidemia, não há necessidade de proceder ao seu complemento e caso as escolas considerem a necessidade de completar as aulas, pode ser considerada a prorrogação do ano lectivo. Relativamente à programação das actividades de férias de Verão, é necessário proceder a uma avaliação contínua, tendo em conta a quantidade de período de tempo entre o reinício das aulas e o termo de férias de Verão, que só pode ser definida concretamente após o reinício das aulas.

Por outro lado, o chefe da Divisão, do corpo de Polícia de Segurança Publica, Lei Tak Fai, também relatou a situação geral sobre a segurança da sociedade, a entrada e saída de Macau, entre outras. Nos termos da Lei de prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis e respectivas orientações, no dia 18 de Março, até à meia-noite, dos 1.940 visitantes provenientes das áreas de alta incidência e 996 visitantes foram encaminhados respectivamente pela CPSP para dois postos temporários, Fórum de Macau e Terminal Marítimo de Passageiros da Taipa, para serem submetidos a exames médicos. 181 visitantes recusaram exames e optaram por regressar ao Interior da China. Três (3) residentes de Macau foram encaminhados para exames médicos devido a deslocações diárias frequentes e fora do normal entre Macau e o Interior da China.

O chefe da Divisão, do corpo de Policia de Segurança Publica, Lei Tak Fai,referiu ainda que os estrangeiros que entram em Macau são principalmente provenientes do Aeroporto Internacional de Macau e já houve uma comunicação com as companhias aéreas sobre as recentes medidas preventivas, com excepção de passageiros em trânsito. Os passageiros que tenham como destino Macau e se o ponto de partida for identificado como país e região de risco será impossibilitada de entrada, acredita-se que o passageiro não possa embarcar no avião.

A conferência de imprensa contou com a presença do Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, a Chefe do Departamento de Licenciamento e Inspecção da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, o chefe do Departamento de Estudos e Recursos Educativos da DSEJ, Wong Kin Mou, Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Dr. Lei Wai Seng, o chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai, a coordenador do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar