Doente confirmado de pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus teve alta hospitalar após tratamento


O Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ), Dr. Lo Iek Long, fez nota de que já passaram vinte e quatro (24) dias desde que foi diagnosticado o último caso de COVID-19. Por trinta e cinco (35) dias consecutivos não foi registado nenhum caso relacionado com casos importados. Macau tem um total de quarenta e cinco (45) casos diagnosticados, dos quais, quarenta e três (43) são casos importados e dois (2) são casos relativos a casos importados. Não há registo nem ocorrência de transmissão comunitária em Macau. Quarenta e quatro (44) casos são classificados com sintomas ligeiros e um (1) como caso grave. Até ao momento não foram registados em Macau casos mortais.

Este sábado (dia 2 de Maio), mais um (1) doente diagnosticado com Covid-19 teve alta hospitalar após tratamento. No total dos 45 doentes diagnosticados em Macau, trinta e oito (38) doentes recuperaram e tiveram alta hospitalar. Há, ainda, sete (7) doentes internados, cujas situações clínicas são consideradas estáveis, sem dificuldades respiratórias, não necessitando de respirar oxigénio. Todos os indivíduos de contacto próximo em vigilância concluíram as medidas de isolamento. Entre os sete (7) doentes internados com sintomas ligeiros, três (3) doentes estão a receber tratamentos na enfermaria de isolamento do Centro Hospitalar Conde de São Januário e quatro (4) doentes na enfermaria de isolamento do Centro Clínico de Saúde Pública. Vinte e três (23) pessoas estão sujeitas a isolamento de convalescença no Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane; neste momento, não está ninguém internado no Centro de Isolamento Provisório, situado no Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas. Nas últimas 24 horas, foram analisadas, pelo Laboratório de Saúde Pública, 515 amostras.

O Dr. Lo Iek Long também apresentou a situação clínica do 38.º doente diagnosticado que teve alta hospitalar hoje. O 45.º doente confirmado em Macau, residente de Macau, sexo masculino, 32 anos de idade, apresentou no dia 19 de Março tosse, febre e outros sintomas. Na noite do dia 7 de Abril apanhou um voo com partida de Phnom Penh, Camboja, com destino Macau, tendo sido detectada febre na zona de inspecção sanitária na entrada do Aeroporto Internacional de Macau, tendo sido imediatamente encaminhado para a Urgência Especial do CHCSJ. No dia 8 de Abril a amostra do teste de zaragatoa nasofaríngea foi positiva e foi diagnosticado com pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus. Esteve internado por 25 dias, sujeito a tratamento antiviral e de suporte sintomático. Agora a condição clínica é estável, sem febre e os sintomas do tracto respiratório melhoraram, a imagem do tórax revela que não há manifestações de pneumonia. Nos dias 29 de Abril, 1 de Maio, os testes de ácido nucleico na zaragatoa nasofaríngea, realizados foram negativos, daí tudo corresponder aos critérios de alta hospitalar e dada no dia 2 de Maio, no entanto, o mesmo irá sujeitar-se a isolamento de convalescença no Centro Clínico de Saúde Pública do Alto de Coloane por 14 dias.

Na resposta às questões levantadas pela comunicação social, o Dr. Lo Iek Long manifestou ainda que, para alteração da política de passagem fronteiriça, é necessário resolver vários problemas, nomeadamente comunicação e negociações com as regiões relacionadas para resolver problemas reais; aliás, devem ser tomadas medidas de segurança complementares, incluindo a realização de teste de ácido nucleico e a instalação do sistema de código de saúde de Macau, etc..Recentemente, estas novas medidas têm sido divulgadas em Macau, contudo, as medidas de passagem fronteiriça apenas podem ser publicadas, até que as medidas supracitadas serem implementadas de forma concreta e se tornarem operacionais. Por outro lado, em resposta às medidas do cartão de consumo electrónico, apela-se aos residentes para manterem uma adequada distância social durante as actividades de consumo, prestarem atenção à higiene pessoal e evitarem aglomerações.

Em relação às questões sobre actividades desportivas, o mesmo responsável disse que existem três tipos de piscina em Macau: 1. as piscinas públicas subordinadas ao Instituto do Desporto, e que continuará a avaliar dinamicamente a evolução da epidemia para considerar a reabertura das piscinas, de acordo com as orientações dos Serviços de Saúde; 2. as piscinas hoteleiras, a maioria das quais não está aberta, dado o pequeno número de hóspedes que se encontram nesta altura; 3. as piscinas privadas, que são geridas pelo próprio proprietário que decidem a sua reaberta, estando a sua fiscalização e controlo da qualidade de água e da higiene sujeita ao IAM e Serviços de Saúde. Referiu ainda que a água do mar na praia é fluente e que pode diluir as secreções do corpo humano, por sua vez, o tratamento de água da piscina em geral tem funções de desinfecção, pelo que o risco não é alto durante a natação, ao contrário, os residentes devem prestar atenção ao risco de aglomeração sobretudo após natação. No que diz respeito aos movimentos de contacto próximo, como futebol, é recomendado que o reinício desta actividade ainda seja adiado adiado por algum tempo.

A Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou, informou que, no dia 1 de Maio, houve mais dois (2) indivíduos submetidos à observação médica, um (1) é residente de Macau e outro um (1) não residente de Macau. Até ao dia 1 de Maio, foram enviados, no total, para a observação médica 4.128 indivíduos. 77 indivíduos estão ainda em observação médica, dos quais 67 em hotéis designados, sete (7) em embarcações de pesca e três (3) em instalações dos Serviços de Saúde. A mesma referiu ainda que o “Código de Saúde de Macau” irá ser activado às 09h00 do dia 3 de Maio de 2020, os residentes podem fazer o scan dos códigos actuais de “Declaração de saúde” e “Declaração de Saúde em postos fronteiriços de entrada”, que passam automaticamente para o “Código de Saúde de Macau ”, e o cartaz de Código QR do“ Código de Saúde de Macau ” já está disponível para download por parte dos residentes na página electrónica da Pagina Electrónica Especial Contra Epidemias.

Relativamente às perguntas dos meios de comunicação, a Dr.ª Leong Iek Hou respondeu que actualmente, a utilização do «Código de Saúde de Macau » está limitada a Macau, não existe ligação com os códigos de saúde utilizados no Interior da China, todos os visitantes que entram no território devem ainda fazer o scan do “Código de Saúde de Macau” para efeitos de declaração de saúde. Por outro lado, ela também informou que os residentes de Macau que se desloquem a Hong Kong devem efectuar 14 dias de observação médica que pode ser realizada na residência ou em outro local designado, dado que os residentes de Macau não realizam o teste de ácido nucleico antes do termo da observação médica, em Hong Kong, como ainda existem alguns casos locais ou importados em Hong Kong, para assegurar a saúde dos residentes de Macau e reduzir o risco de transmissão comunitária, os residentes de Macau têm ainda de realizar 14 dias de observação médica após o regresso de Hong Kong. A propagação do vírus ocorre com a transmissão de gotículas a curta distância, os residentes devem manter distância, prestar atenção na higiene pessoal e evitar tocar em objectos públicos em qualquer actividade, principalmente lembre-se de evitar o contacto com os olhos, nariz e boca antes de lavar as mãos.

A Chefe de Departamento dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, deu informações sobre o número de pessoas em observação médica em hotéis designados pelo Governo. O Chefe Subst.º do Departamento, Dr. Ian Chan Un informou sobre a retomada dos horários normais de passagem fronteiriça das Portas do Cerco e do posto fronteiriço da Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, a partir de 3 de Maio. o Chefe da Divisão, Dr. Lei Tak Fai ainda referiu o encaminhamento dos visitantes provenientes de áreas de alta incidência para os postos de exame médico temporários, a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau, entre outros. O Chefe do Departamento, Wong Ka Ki, respondeu às perguntas relativas aos assuntos sobre alunos transfronteiriços.

Estiveram presentes na conferência de imprensa, o Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, o Chefe do Departamento de Ensino da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude, Dr. Wong Ka Ki, a Chefe do Departamento de Licenciamento e Inspecção da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, o Chefe Subst.º do Departamento de Fiscalização Alfandegária dos Postos Fronteiriços dos Serviços de Alfândega, Dr. Ian Chan Un, o Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai e a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar