56 dias consecutivos sem casos COVID-19 em Macau

Conferência de Imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus do dia 3 de Junho

O Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ Dr. Lo Iek Long informou que já passaram cinquenta e seis (56) dias desde que foi diagnosticado o último caso de pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus. Há sessenta e sete (67) dias consecutivos que não há registo de qualquer caso relacionado com casos importados. Macau tem um total de quarenta e cinco (45) casos diagnosticados, dos quais, quarenta e três (43) são casos importados e dois (2) casos estão relacionados com a casos importados. Não há registo nem ocorrência de transmissão comunitária em Macau. Foram registados quarenta e quatro (44) casos classificados com sintomas ligeiros e um (1) como caso grave. Não foram registados em Macau casos mortais. Todos os doentes recuperaram e tiveram alta. Os indivíduos considerados contactos próximos em vigilância concluíram as medidas de isolamento. Três (3) pessoas estão em isolamento de convalescença no Centro Clínico de Saúde Pública;

Nos dias 1 e 2 de Junho, foram realizados um número total de 1.292, e 1.149 testes de ácido nucleico do novo tipo de coronavírus em Macau.

No que diz respeito às questões relativas à passagem fronteiriça, o Dr. Lo Iek Long afirmou que para implementar, qualquer tipo de medida, que implique passagem fronteiriça, é necessário estudar e avaliar, de um modo constante, a situação epidemiológica de todos os locais e evolução da situação epidémica das regiões que possuem ligação com Macau, e devem ser verificadas a existência, ou não de condições específicas, de medidas de segurança complementares, tais como certificado do teste de ácido nucleico ou reconhecimento mútuo do código de saúde, etc.

O Governo da RAEM tem mantido comunicação e discussão com os governos da província de Guangdong, de Zhuhai e de Hong Kong, e a abertura simultânea da passagem de várias fronteiras só será possível através de planos bem definidos. Os pormenores das políticas ou medidas específicas estão a ser elaborados para que em breve possam ser tornados públicos. Os residentes devem ser pacientes.

Quanto à questão dos dados no Sistema de marcação de teste de ácido nucleico, o Dr. Lo Iek Long respondeu que, para que os utilizadores possam preencher os dados de forma mais flexível, a coluna para inserção do número de telefone é opcional (não obrigatória), adiantando que se os residentes inserirem um número de telefone correcto, estes receberão uma SMS contendo os respectivos dados da marcação, permitindo a sua chegada atempada ou eventual alteração da marcação.

Relativamente à cobrança de taxas aos não residentes de Macau que foram diagnosticados com COVID-19, o mesmo responsável referiu que os Serviços de Saúde dispõem de um mecanismo de cobrança de despesas. Caso o pagamento da taxa não seja efectuado dentro do prazo, os respectivos processos serão encaminhados à Direcção dos Serviços de Finanças para efeitos de cobrança. Actualmente, pelo menos três pessoas não residentes de Macau, diagnosticados com COVID-19, e que tiveram alta hospitalar após recuperação, já pagaram as despesas médicas, sendo 1 de Hubei e duas pessoas Indonésias.

A Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou, informou que dos dias 1 e 2 de Junho, foram submetidos à observação médica mais noventa e seis (96) indivíduos, cinquenta e quatro (54) residentes de Macau e quarenta e dois (42) não residentes de Macau. Até ontem (dia 3 de Junho), foram enviados, no total, para observação médica, 4.724 indivíduos, havendo ainda 247 indivíduos em observação médica num hotel designado.

Relativamente às perguntas apresentadas pelos jornalistas sobre o horário de reabertura das instalações desportivas públicas, a Dr.ª Leong Iek Hou referiu que os Serviços de Saúde estão a discutir com o Instituto do Desporto a reabertura das instalações e estabelecimentos desportivos e a estudar para elaboração dos princípios de prevenção da epidemia, os quais devem ser cumpridos obrigatoriamente quer para as instalações desportivas públicas quer para privadas. A Dr.ª Leong Iek Hou salientou que, neste momento, ainda é necessário evitar, na medida do possível, concentrações desnecessárias de pessoas e reduzir aglomerações.

A Chefe de Departamento dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, deu a conhecer o número de pessoas em observação médica em hotéis designados pelo Governo. Aquando da resposta às perguntas colocadas por jornalistas, em relação ao regresso de residentes do exterior para Macau, na segunda quinzena de Junho, os trabalhos ainda estão em negociação com diversos departamentos de Hong Kong e as informações serão anunciadas oportunamente depois de ultimados os pormenores.

O Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Lei Tak Fai referiu a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau, etc.

Estiveram presentes na conferência de imprensa o Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, a Chefe do Departamento de Licenciamento e Inspecção da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, o Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai, e a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar