94 dias consecutivos sem casos COVID-19 em Macau

Conferência de imprensa realizada pelo Centro de Coordenação e Contingência no dia 1 de Julho

O Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ), Dr. Lo Iek Long fez nota na conferência de imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus que, até ao dia 1 de Julho, não foi registada qualquer transmissão comunitária de COVID-19 em Macau há noventa e quatro (94) dias e há cinco (5) dias consecutivos que não é diagnosticado nenhum caso importado.

Macau tem um total de quarenta e seis (46) casos diagnosticados, dos quais, quarenta e quatro (44) são casos importados e só dois (2) são casos relativos a casos importados. Não há registo de qualquer infecção entre os profissionais de saúde nem casos mortais. Actualmente, na enfermeira de isolamento do CHCSJ, encontra-se apenas um paciente em tratamento médico em condição clínica considerada estável. Todos os doentes recuperados concluíram as medidas de isolamento de convalescença. Neste momento, não há nenhum contacto próximo em observação médica. Nos dias 29 e 30 de Junho, foram realizados 7.942 testes de ácido nucleico do novo tipo de coronavírus em Macau.

Relativamente ao prolongamento, até ao dia 7 de Agosto, das medidas, anunciado pelo Governo de Hong Kong, destinadas aqueles estiveram no Interior da China, Macau e Taiwan ou tenham efectuado deslocações a outros países ou regiões, o Dr. Lo Iek Long disse compreender que haja alguma preocupação das pessoas com este prolongamento mas fez questão de salientar que este prolongamento é apenas uma continuação da medida original, daí não haver qualquer impacto na comunicação entre os dois Governos, nem prejuízo nos avanços para a implementação de medidas favoráveis à passagem transfronteiriça.

Quanto ao pedido de quotas de isenção do isolamento em Zhuhai, o Médico-Adjunto da Direcção salientou que o pedido pode ser apresentado todos os dias e decorrer até ao anoitecer e que essa medida já ajudou residentes com necessidades urgentes. Por uma questão de justiça, as pessoas elegíveis que apresentam o pedido pela primeira vez, são considerados prioritários. Essa é uma garantia das autoridades. Algumas pessoas precisam de deslocar entre Macau e Zhuhai, repetidamente, mas quando o 1.º pedido for autorizado, os pedidos posteriores serão abertos novamente para o público.

As questões levantadas pelos jornalistas sobre orientações de combate à epidemia dadas pelo chefe da equipa de peritos em doenças infecciosas da Comissão Nacional de Saúde da China, Dr. Zhong Nanshan, o Lo Iek Long sublinhou que o Chefe do Executivo tem mantido a comunicado estreitamente com o académico, Dr. Zhong Nanshan e isto é muito importante para Macau na formulação da política de prevenção de epidemia. E desta vez, a sua visita teve como objectivo a partilha, com o Governo da RAEM, das experiências obtida no Interior da China contra a epidemia e analisar a situação da epidemia a nível mundial para obter recomendações concretas.

O Governo da RAEM também irá adoptar as recomendações relevantes, integralmente, e consoante a situação real, proceder ao ajuste de estratégia de prevenção de epidemias, em altura apropriada, sendo o princípio geral de promover o contínuo reinício da vida quotidiana e das actividades económicas, sob a prevenção do ressurgimento da epidemia.

Quanto ao progresso da recuperação das deslocações entre Macau e as áreas vizinhas, o médico adjunto apontou que a epidemia global ainda está cheia de incertezas e o número de pessoas diagnosticadas, recentemente, em muitos países ainda é muito elevado. De acordo com a situação actual, talvez seja necessário o surgimento de vacinas ou medicamentos eficazes para controlar a epidemia a nível global. Quando o membro da Academia Chinesa, Zhong Nanshan, veio a Macau, revelou que cinco tipos de vacinas, já existentes no Interior da China, atingiram a segunda fase de ensaios clínicos.

O Dr. Lo Lek Long também referiu que há muito tempo que não são registados casos confirmados locais em Macau e o trabalho antiepidémico geral de Macau alcançou o suecesso esperado, daí que o Governo da RAEM esteja a negociar com Cantão (Guangdong), Zhuhai e Hong Kong a facilitação do fluxo de pessoas sob condições e restrições, tendo em algumas das situações já alcançado as metas esperadas.

Por fim, o Dr. Lo Lek Long informou que em Macau já foram vendidas cerca de 93,8 milhões de máscaras através do Plano de Fornecimento de Máscaras, indicando que o Governo considerará se deve suspender o plano com base no número suficiente de máscaras no mercado, no preço das máscaras e na situação epidémica mais actual. No caso de suspensão do plano, a notificação será feita com a devida antecedência, pelo menos com um lapso de tempo referente a dois planos.

Em termos de observação médica realizada em Macau, a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Hou, disse que entre 29 e 30 de Junho, 87 e 119 indivíduos, respectivamente, dos quais 183 são residentes e 23 são não residentes foram submetidos a observação médica. No total, foram enviados para a observação médica 6.627 indivíduos. Há, ainda, 1.389 indivíduos em observação médica, dos quais 1.386 indivíduos num hotel designado, dois (2) indivíduos em embarcação de pesca e um (1) indivíduo nas instalações dos Serviços de Saúde.

Relativamente à questão colocada pelos jornalistas sobre se os trabalhadores não residentes que não sejam provenientes do Interior da China possam entrar em Macau, a Dra. Leong Iek Hou afirmou que ainda não foi autorizada a entrada em Macau de trabalhadores não residentes estrangeiro. No entanto os trabalhadores não residentes de Hong Kong e Taiwan podem entrar, mas precisam ser submetidos à observação médica por 14 dias. Além disso, no que diz respeito ao progresso da revisão das directrizes para o uso de máscaras, respondeu que os trabalhos relevantes estão em andamento, mas devido a mudanças na epidemia ocorrida em Pequim, é necessário observar o impacto da epidemia em Macau e áreas vizinhas. Contudo, salientou que o Governo monitorizará sempre o desenvolvimento de epidemia e se as condições permitirem, as directrizes serão aliviadas e os regulamentos relevantes publicados em tempo útil.

A Dra. Leong Iek Hou Além mencionou, ainda, que actualmente existem mais de 100 residentes de Macau que estudam em Taiwan, solicitaram a isenção de apresentação de relatório de teste de ácido nucleico antes de apanhar o voo. As autoridades estão a rever a situação e as medidas de isenção serão aplicadas caso a caso. Este processo está ainda a decorrer, mas sem problemas.

A Chefe da Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo Lau Fong Chi relatou o número de pessoas em observação médica em hotéis designados, o número total de pessoas inscritas que regressaram ao Terminal Marítimo Pac On do Aeroporto Internacional de Hong Kong e o número total de bilhetes de barco vendidos do Terminal Marítimo Pac On para o Aeroporto Internacional de Hong Kong.

O Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas do CPSP, Lei Tak Fai relatou a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau.

Estiveram presentes na conferência de imprensa o Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, o chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas do CPSP, Lei Tak Fai, a Chefe da Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Lau Fong Chi, e a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar