20.º plano de fornecimento de máscaras aos residentes de Macau alarga período de venda para 30 dias – 122 dias consecutivos sem casos COVID‑19 em Macau

Conferencia de imprensa realizada pelo Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus no dia 29 de Julho de 2020

O Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário (CHCSJ), Dr. Lo Iek Long na conferência de imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus fez nota, quarta-feira, 29 de Julho, que já não é registada qualquer transmissão na comunidade de COVID-19, há 122 dias e já passaram 33 dias sem diagnósticos de casos importados.

Macau diagnosticou, até à data quarenta e seis (46) casos, dos quais, quarenta e quatro (44) são casos importados e só dois (2) são relativos a casos importados. Quarenta e seis (46) pessoas já tiveram alta. Não há registo de qualquer infecção entre os profissionais de saúde nem casos mortais.

No Centro Clínico de Saúde Pública do Alto de Coloane, há um doente em tratamento de convalescença. 45 pacientes recuperados concluíram o isolamento do período de convalescença, não há nenhum caso de contacto próximo em observação médica.

Nos dias 27 e 28 de Julho foram realizados 21.855 testes de ácido nucleico do novo tipo de coronavírus em Macau.

Ao responder às perguntas colocadas pelos jornalistas, o Dr. Lo Iek Long indicou que até agora, após 19 planos de fornecimento de máscaras aos residentes de Macau foram vendidas mais de 108,2 milhões de máscaras. O Governo da RAEM observará dinamicamente se as medidas são ajustadas de acordo com as diferentes fases da situação epidémica, o fornecimento e preço das máscaras no mercado. O objectivo de actualizar o período de venda para 30 dias é facilitar o acesso às máscaras dos residentes por um longo período e garantir a existência de uma quantidade suficiente de máscaras disponíveis para compra por todas as pessoas que correspondam às condições exigidas.

Explicando aos jornalistas os diferentes métodos de amostragem dos testes de ácido nucleicos, o Dr. Lo Iek Long apontou que a amostragem orofaríngea pode causar náusea e por sua vez a amostragem nasofaríngea pode causar lacrimação ou desconforto faríngeo. Pessoas diferentes têm sentimentos diferentes. Qualquer método de testes poderá causar desconforto, mas não tanto como se imagina e ambos métodos de amostragem são eficazes. Por outro lado, o objectivo de criação de postos de testes de ácidos nucleicos é separação do fluxo de pessoas, reduzindo a aglomeração de pessoas. Portanto, o número de pessoas deve ser organizado e os residentes não podem alterar o local do teste marcado por sua própria vontade.

Além disso, o Dr. Lo Iek Long afirmou que todos os pacientes com alta hospitalar estão em boas condições e não manifestaram as complicações óbvias. Apelou, ainda, a que todos residentes não encarem a situação actual de ânimo leve, devem manter a consciência da prevenção de epidemias e devem evitar a contrair doenças.

Em termos de observação médica realizada em Macau, a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infeciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Hou, disse que entre os dias 27 e 28 de Julho, mais 149 indivíduos foram submetidos à observação médica, 63 dos quais são residentes de Macau e 86 não residentes de Macau. No total, foram enviados para a observação médica 9.463 indivíduos. Há, ainda 1.232 indivíduos em observação médica dos quais 1.210 em hotéis designados, vinte e um (21) em embarcações de pesca, um (1) na instalação dos Serviços de Saúde e nenhum no domicílio.

A Dr.ª Leong Iek Hou manifestou, ainda, que Macau recebeu uma notificação de Hong Kong, na qual um homem de 62 anos de idade, trabalhador de decoração de interiores, que trabalhou em Macau durante o mês de Março e até ao dia 10 de Julho de 2020 foi diagnosticado com COVID-19. No dia 10 de Julho, o referido homem realizou um teste de ácido nucleico em Macau, cujo resultado deu negativo. No dia 11 de Julho, regressou a Hong Kong mediante a Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau e efectuou quarentena domiciliária em Hong Kong, durante a qual, teve contacto com a sua mulher e dois filhos que vivem no mesmo domicílio. Devido ao facto do seu filho mais velho ter tido contacto com vários grupos de infecção em Hong Kong e que apresentou sintomas como tosse e dor na garganta no dia 19 de Julho e acabou por ser diagnosticado como a pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus (COVID-19) em Hong Kong, no dia 27 de Julho. Durante o período epidemiológico, o Departamento de Saúde de Hong Kong descobriu que o doente e a sua mulher também apresentaram sintomas. Ambos foram diagnosticados como pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus (COVID-19) no dia 28 de Julho, após exame. A mulher do doente apresentou sintomas de tosse e dor na garganta no dia 14 de Julho, enquanto o doente manifestou tosse e rinite no dia 17 de Julho. De acordo com os dados de investigação, no âmbito epidemiológico e historial de contacto este é um caso de infecção local em Hong Kong, através de infecção causada pelos seus familiares em Hong Kong. O Departamento de Saúde de Hong Kong também manifestou a sua concordância com isso. Neste contexto, não se efectuou uma investigação avançada a este doente, em termos das suas actividades em Macau.

A Dr.ª Leong Iek Hou também introduziu o 20.o plano de fornecimento de máscaras aos residentes de Macau iniciará a próximas sexta-feira, 31 de Julho. Para conveniência dos residentes, o período de vendas será actualizado para 30 dias, ou seja, o 20.o plano irá decorrer de 31 de Julho a 29 de Agosto e cada pessoa pode comprar 30 máscaras. Mantém-se o preço em 0,8 patacas por máscara, ou seja, o total de compra das 30 máscaras será de 24 patacas. Os destinatarios, os locais de venda e o horário do 20.º plano são idênticos ao 19.º plano. (ver outro comunicado para mais detalhes). A Dr.ª Leong Iek Hou reiterou que o Governo da RAEM assegura que o número de máscaras disponíveis responde a todas as necessidades da população e apelou-se aos residentes que não há necessidade de comprarem as máscaras nos primeiros dois dias, logo após o início do 20.º plano, para evitar aglomerações de pessoas e reduzir os tempos de espera.

Em resposta às perguntas levantadas pelos jornalistas, a Dra. Leong Iek Hou disse que, após o decurso de 19 planos de fornecimento de máscaras aos residentes de Macau, quer os pontos de venda, quer os cidadãos, estão muito familiarizados sobre a forma da sua implementação, com funcionamento fluente. No intuito de reduzir a deslocação dos residentes na aquisição de máscaras nos pontos de venda em cada dez (10) dias e a situação de ajuntamento de pessoas, daí que o período de venda do 20.o Plano de máscara foi ajustado para 30 dias. Referindo ainda que, desde o início da epidemia até ao presente, os Serviços de Saúde elaboraram diversas orientações, cujo conteúdo sofreu constantemente ajustamentos e alterações, dependendo da situação epidémica. Ao mesmo tempo, as orientações dirigidas às instituições escolares também serão ajustadas, tendo em conta a situação epidémica local e a das zonas frequentemente visitadas. De acordo com as situações actuais, caso a situação epidémica em Macau se mantenha estável, acredita-se que, a abertura dos jardins de infância em Setembro possa ser considerável e ideal.

Na conferência, o Chefe da Divisão de Fiscalização Alfandegária de Macau dos Serviços de Alfândega, Dr. Wong Weng Meng relatou o arranjo da passagem de fronteiras dos veículos com duplas matrículas de Guangdong e Macau.

A Chefe da divisão da Direcção dos Serviços de Turismo, Dra. Lau Fong Chi reportou o número de pessoas em observação médica em hotéis designados, enquanto o Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai, relatou a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau, entre outros, respondendo-se ainda as referidas perguntas levantadas pelos jornalistas.

Estiveram presentes na conferência de imprensa o Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, o Chefe da Divisão de Fiscalização Alfandegária de Macau dos Serviços de Alfândega da RAEM, Dr. Wong Weng Meng, o Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai, a Chefe da Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Lau Fong Chi, e a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar