Serviços de Saúde investigam caso suspeito de infecção colectiva de gastroenterite 


Os Serviços de Saúde foram notificados este domingo (15 de Novembro) para a detecção de um caso suspeito de infecção colectiva de gastroenterite na K1 da Escola Santa Maria Mazzarello, situada na Rua da Praia do Manduco e que afectou seis (6) alunos e um (1) docente, quatro (4) do sexo masculino e três (3) do sexo feminino com idades compreendidas entre 2 e 22 anos.

Desde o dia 14 de Novembro, os pacientes começaram a manifestar os sintomas de vómitos, febre, dores abdominais e diarreias. Parte destes pacientes recorreu a instituições médicas para tratamento, dos quais dois (2) necessitaram internamento hospitalar devido a vómitos frequentes, sendo o estado clínico considerado estável. Os restantes pacientes encontram-se em estado clínico considerado ligeiro, não tendo sido registado nenhum caso grave. Segundo o registo alimentar dos doentes foi excluída a possibilidade de gastroenterite alimentar. De acordo com as horas de ocorrência da doença, os sintomas, o período de incubação, é provável que o agente patogénico esteja relacionado com uma infecção viral. Os Serviços de Saúde estão a acompanhar e a investigar o caso, procedendo à recolha de amostras de fezes para análise laboratorial e foram reforçadas as indicações ao estabelecimento escolar para que haja a implementação de medidas, em especial a forma correcta de tratamento de vómitos e de excrementos, de limpeza profunda do ambiente e manutenção da ventilação do ar no interior das instalações.

O norovírus e o rotavírus são doenças frequentes da gastroenterite viral e ocorrem principalmente no Outono e no Inverno, propagando-se muito facilmente. A infecção por norovírus é fácil de ocorrer em equipamentos colectivos, nomeadamente em lares de idosos e escolas, bem como junto de vários grupos etários. A via de transmissão inclui o consumo de alimentos ou água eventualmente contaminados por esse vírus; o contacto com vómitos ou dejetos de pessoas doentes; o contacto com os objectos contaminados; ou a transmissão por gotículas de saliva. A incubação da infecção ocorre normalmente entre 24 a 48 horas.

A infecção por rotavírus é frequente ocorrer em lactentes e crianças de idade compreendida entre os 6 meses e os 2 anos, sendo a sua principal via de transmissão o contacto com secreções ou dejetos de pacientes. Os sintomas de ambas as doenças contagiosas são idênticos, designadamente, náuseas, vómitos, diarreia com fezes aquosas, dores abdominais e febre ligeira. De um modo geral, os sintomas são ligeiros, e tratam-se de doenças autolimitadas, com a duração de 1 a 5 dias, sem complicações. Os dois vírus necessitam de ser confirmados por análises laboratoriais.

Os Serviços de Saúde recomendam à população que preste atenção à higiene pessoal, ambiental e alimentar. Acresce que caso os profissionais do sector da restauração ou o pessoal de enfermagem manifestem sintomas como vómitos ou diarreia para não se apresentarem o local de trabalho e recorram a assistência médica, adoptando medidas rigorosas de higiene pessoal, de modo a evitar a propagação da doença.

Em caso de aparecerem doentes suspeitos, o pessoal prestador de cuidados de saúde deve ter a máxima cautela aquando da limpeza quer das fezes quer dos vómitos dos doentes, devendo substituir luvas e lavar as mãos imediatamente após cuidar de cada paciente.

Recomenda-se a todos as creches, escolas, lares e outras instituições similares que na ocorrência ou identificação de uma situação de infecção colectiva para contactarem de imediato o Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde através do número de telefone 2870 0800, de modo a proceder ao acompanhamento imediato.



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar