Indivíduos provenientes da Região de Taiwan, a partir das 00H00 de 11/06, são sujeitos às medidas de observação médica, por um período de 21 dias acrescidos de pelo menos 7 dias de observação médica | Taxa de Teste reduzida para MOP80 no Posto do Pac On (Terminal Marítimo da Taipa) e no Fórum de Macau

Conferência de imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus

O Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Dr. Tai Wa Hou relatou que, até ao dia 10 de Junho de 2021, nunca houve uma transmissão comunitária da COVID-19 em Macau e por 438 dias consecutivos não são registados casos locais de transmissão da COVID-19 (incluindo casos de infecção assintomática) e ontem foi detectado 1 novo caso importado do exterior. Macau diagnosticou, até à data, cinquenta e dois (52) casos, dos quais, cinquenta (50) são casos importados e dois (2) são relacionados com casos importados. Cinquenta e uma (51) pessoas tiveram alta. Não há registo de qualquer infecção entre os profissionais de saúde nem casos mortais.

No Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane estão internados: uma pessoa do caso importado de recaída de infecção assintomática; uma pessoa, caso diagnosticado (no exterior) de recaída de infecção assintomática; seis (6) indivíduos provenientes de áreas de alto risco e três (3) casos de contactos próximos de contactos próximos provenientes da região da Cidade de Cantão (Guangzhou), sujeitos a observação médica.

No dia 9 de Junho de 2021, foram testadas em Macau 17.097 pessoas.

Até às 16h00 de 10 de Junho, cumulativamente, já foram administradas 230.336 doses da vacina num total de 155.838 pessoas vacinadas, entre as quais, 80.207 com a primeira dose da vacina e 75.631 pessoas completaram as duas doses da vacina.

Nas últimas 24 horas, foram registados vinte e seis (26) eventos adversos (26 ligeiros; zero (0) grave). Desde o início da vacinação até ao presente momento, houve 923 notificações de eventos adversos (920 ligeiros; três (3) graves).

A taxa de teste de ácido nucleico em Pac On (no Terminal Marítimo de Passageiros da Taipa) e no Fórum de Macau será reduzida para 80 patacas.

O Dr. Tai Wa Hou anunciou que a sequência do gene do vírus do 52.º caso confirmado da pneumonia causada pela COVID-19 é a variante B.1.1.7 Alpha.

A partir de sexta-feira (dia 11 de Junho), a taxa de teste de ácido nucleico nos Postos de Teste de Ácido Nucleico em Pac On (no Terminal Marítimo de Passageiros da Taipa) e no Fórum de Macau será reduzida para 80 patacas.

O Dr. Tai Wa Hou apontou que a única razão para reduzir a taxa dos dois Postos de Teste de Ácido Nucleico é que estes dois postos de teste de ácido nucleico pertencem a instituições que estabeleceram cooperação com os Serviços de Saúde. Os Serviços de Saúde estão a analisar a possibilidade de redução das taxas com as outras instituições.

Quando questionado sobre o stock de duas vacinas em Macau, o Dr. Tai Wa Hou disse que restam 20.000 doses de vacina de mRNA, das quais 10.000 doses estão reservadas para as pessoas que já administraram a primeira dose da vacina. As demais - 10.000 doses - são suficientes para aqueles que procederam a marcação da primeira dose da vacina.

O Dr. Tai Wa Hou explicou que as actuais vacinas de mRNA expiram a 3 de Agosto, e que foi determinado que os lotes deveriam chegar a Macau em pequenas quantidades e separadamente. Já foi solicitado aos fornecedores o reabastecimento de acordo com a quantidade de vacinas usadas,.

O stock da vacina inactivada da Sinopharm é de cerca de 300.000 doses, das quais 70.000 doses são reservadas para aqueles que foram submetidas a primeira dose da vacina. Há ainda 200.000 doses de vacina encomendadas pelas autoridades que ainda não chegaram a Macau. Quanto ao plano de aquisição das vacinas da AstraZeneca, a introdução desta vacina não acontecerá este ano. A quantidade total das duas vacinas em uso na RAEM são suficientes para as necessidades da população.

A Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Ho apontou que, no dia 9 de Junho de 2021, foram submetidos a observação médica 132 indivíduos, dos quais, 50 residentes de Macau e 82 não residentes de Macau.

No total, até ao dia 9 de Junho de 2021, foram enviados para a observação médica 38.732 indivíduos. Há, ainda, 1.674 indivíduos em observação médica, dos quais, 8 indivíduos alojados em instalações dos Serviços de Saúde, 1.666 indivíduos em hotéis designados.

A Dr.ª Leong Iek Ho durante a conferência de imprensa também anunciou o seguinte:

  1. Um Teste de anticorpos à COVID-19 realizado a um turista proveniente da Região de Taiwan deu positivo. (Ver outro comunicado para detalhes);
  2. Em resposta às mudanças na situação epidémica em Taiwan, a partir das 00:00 horas do dia 11 de Junho de 2021, todos os indivíduos que nos 21 dias anteriores à entrada em Macau tenham estado na Região de Taiwan, serão sujeitos às medidas de observação médica, por um período de 21 dias em local a designar conforme exigências da autoridade sanitária acrescidos de autogestão de saúde por um período adicional de pelo menos 7 dias. A pessoa em causa tem, ainda, de se submeter a um teste de ácido nucleico no 27º dia ou após. Se o resultado deste teste for negativo é que o “Código de Saúde de Macau” passará a sua cor em verde.
  3. O sistema do “Código de Saúde de Macau” será optimizado. Quando os cidadãos apresentam o código de saúde, podem optar por gerar o código de saúde para uso de deslocação dentro de Macau ou de entrada e saída da RAEM.

Se for utilizado apenas na RAEM, o sistema não irá efectuar ligação com o banco de dados de ácido nucleico da Província de Cantão (Guangdong), de forma a reduzir o impacto ao sistema do “Código de Saúde de Macau” em caso de avaria do sistema do Interior da China. O Centro de Coordenação de Contingência prevê que este novo sistema do “Código de Saúde de Macau” esteja disponível em dois dias.

  1. Os Serviços de Saúde ajustaram mais uma vez as Recomendações sobre medidas exigidas de apresentação de Código de Saúde para acesso a locais públicos (as novas recomendações foram carregadas na coluna das Orientações de Prevenção Epidemiológica da Página Electrónica Especial Contra Epidemias do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, sítio: https://www.ssm.gov.mo/apps1/PreventCOVID-19/pt.aspx#clg17668)

Em resposta a uma pergunta de um jornalista sobre o eventual perigo que uma pessoas de código amarelo possuiu, a Dr.ª Leong Iek Ho explicou que a cor amarela do “Código de Saúde de Macau” representa diferentes situações, nomeadamente: ter viajado para um local de risco médio ou alto; tendo sintomas de febre e tosse e declarar de forma activa; recorrer ao hospital por causa de febre ficando sujeito ao teste de ácido nucleico, entre outras situações, reiterando que os titulares do código amarelo não são doentes diagnosticados, mas precisam fazer uma autogestão de saúde. Essas pessoas devem informar o seu empregador para que o mesmo possa julgar se o trabalhador é adequado continuar a prestar serviços de acordo com a natureza do próprio trabalho.

A médica acrescentou que os indivíduos com códigos amarelos não são adequados para o trabalho na linha de frente, devendo evitar o contacto com o público e também devem evitar deslocar-se a lugares lotados, principalmente restaurantes.

No caso das pessoas com códigos amarelo entrarem em edifícios, devem usar sempre máscaras, ao mesmo tempo, outras pessoas também usam máscaras e se o ambiente não estiver lotado, pode não existir problemas.

Relativamente à pergunta sobre se o código de saúde em papel pode substituir o “Código de Saúde de Macau” gerado pelo telemóvel, a Coordenadora referiu que o “Código de Saúde de Macau” apresenta a cor de risco correspondente com base nas informações e nos conteúdos preenchidos pelos cidadãos. Por exemplo se um cidadão esteve no hospital ou em áreas de risco, o sistema pode ajustar a cor do código de saúde para vermelho ou amarelo. No entanto, a emissão de código de saúde em papel poder alcançar este resultado, isso pode dificultar os estabelecimentos para identificarem eventuais riscos.

Quanto à necessidade de impor medidas aos passageiros vôo no qual viajou o individuo do 52.º caso no mesmo voô, a Coordenadora apontou que os testes de ácido nucleico do doente realizado na Região de Taiwan e aquando da chegada a Macau foram negativos. Isso significa que esta pessoa ainda estava em período de incubação do vírus e não era infeccioso. Após a avaliação, foi concluído que o risco de infecção de passageiros do mesmo voô é baixo, pelo que os mesmos não são classificados como contactos próximos. Além disso, todos os passageiros do mesmo voô que voltaram da Região de Taiwan a Macau estão sujeitos à observação médica, durante a qual, serão submetidos a três (3) testes de ácido nucleico e um (1) teste sorológico para comprovar que não são contagiosos antes de conclusão de isolamento.

Na conferência de imprensa, a Chefe do Departamento Dr.ª Lei Lai Peng anunciou que o Instituto de Acção Social para ajudar os cidadãos com necessidades (e não pertencem a indivíduos com códigos de saúde amarelos e vermelhos) a gerarem e imprimirem o “Código de Saúde de Macau” estão disponíveis nove (9) pontos de serviços e cerca de 100 equipamentos sociais (incluindo instalações para idosos, centros de serviços familiares e comunitários, etc.), sendo que a lista relevante será carregada na página electrónica do Instituto de Acção Social “www.ias.gov.mo” após tratamento.

A Chefe da Divisão, Dr.ª Lam Tong Hou reportou o número de pessoas em observação médica em hotéis designados.

O Chefe da Divisão de Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai relatou a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau, respondendo as perguntas de jornalistas.

Estiveram presentes na conferência de imprensa: o Médico-Adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Dr. Tai Wa Hou, a Chefe do Departamento de Serviços Familiares e Comunitáriosdo Instituto de Acção Social, Dr.ª Lei Lai Peng,a Chefe da Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Lam Tong Hou, o Chefe da Divisão de Ligação entre Polícia e Comunidade e Relações Públicas, Dr. Lei Tak Fai, a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Ho.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar