Serviços de Saúde: Situação epidémica da Rubéola divulgada em conferência de imprensa

Conferência de imprensa com Dr. Lam Chong, Chefe do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças; a Dr.a Chan Im Kuan, Directora do Centro de Saúde do Fai Chi Kei e a Dr.a Mui Po, Médico Assistente do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia.

Os Serviços de Saúde anunciaram, terça-feira, 10 de abril de 2019, que desde o inicio do ano já foram diagnosticados em Macau 15 casos de rubéola, 14 dos quais registados desde o início do mês de Abril. Destes últimos casos 11 pessoas são residentes locais de Macau, três (3) são trabalhadores não residentes de Macau, todos com idades compreendidas entre os 21 e os 55 anos. Nove pessoas (9) são do sexo masculino e cinco (5) do sexo feminino.

Entre os 14 pacientes, nove (9) tiveram durante o período de incubação reportaram ter viajado e a maioria destas pessoas não possui informações claras sobre a sua historia de vacinação. Todos os pacientes estavam estáveis e não há nenhum caso internado. Actualmente, todos os pacientes apresentam um estado clínico considerado estável. Não há nenhuma paciente grávida.

O director do Centro de Controlo de Doenças, Dr. Lam Chong, referiu que entre os pacientes, três (3) são trabalhadores do Hotel City of Dreams, dois (2) são residentes locais de Macau (um mulher de 45 anos, um homem de 23 anos) e um (1) é trabalhador não residente de Macau, natural do Vietname (26 anos).

Quatro (4) pacientes são trabalhadores de StarWorld Hotel, dos quais, três (3) são residentes locais de Macau ( 1 mulher de 32 anos e 2 homens um com 26 e outro com 33 anos); um (1) trabalhador não residente de Macau, natural das filipinas (homem, 27 anos).

Há ainda um (1) trabalhador não residente de Macau, proveniente do Interior da China, do sexo masculino, com 21 anos de idade.

Os Serviços de Saúde exigiram a todos os pacientes confirmados a permanência e descanso em casa durante sete (7) a contar da data de manifestação da erupção cutânea. Foram ainda aconselhados a reduzir deslocações a locais públicos ou usar transporte público. Na eventualidade de terem de circular ao ar livre devem usar máscaras e prestar atenção à higiene pessoal. Os Serviços de Saúde já solicitaram as instituições médicas a reforçar a higiene ambiental e fortalecer a monitorização da saúde do pessoal. Os Serviços de Saúde pesquisarão todas pessoas com contactos dos casos confirmados, para efectuar observação médica.

Em 2018 em Macau foi apenas registado um (1) caso de rubéola. Desde Janeiro e até 10 de Abril, foram já registados 15 casos de rubéola, o que revela um surto epidémico de rubéola de pequena escala em Macau. Lam Chong salientou que, em Macau, 75% dos residentes possuem imunidade contra a rubéola.

Há a possibilidade de ocorrer um aumento contínuo de casos de rubéola nos próximos dias mas não há risco de transmissão comunitária de grande escala.

Apela-se ao público, especialmente as grávidas para que tomem precauções pois de acordo com Lam Chong , há uma epidemia de rubéola no Japão, e ultimamente no Interior da China, a situação epidémica de rubéola tem uma tendência de aumento. Os Serviços de Saúde estão atentos à evolução epidémica.

Presente na conferência de imprensa a Dr.a Mei Bo, Médico assistente do Serviços de Obstetrícia e Ginecologia apontou que a Rubéola é um vírus comum e tem pouco efeito nas pessoas. Os sintomas da Rubéola são leves, como febre baixa e erupção cutânea, entre outros. No entanto, se uma mulher grávida for infectada com a Rubéola, é possível transmiti-la ao seu feto, podendo causar aborto ou síndrome congénita do sarampo, teratogenicidade, glaucoma, catarata ou doença cardíaca congénita após o nascimento.

Em Macau, há muitos anos, esta previsto no plano de vacinação a vacina contra a rubéola. Aliás as mulheres grávidas em Macau também foram vacinadas, existindo por isso alguma protecção das mulheres grávidas. Os Serviços de Saúde recomendam que todas as mulheres grávidas sejam submetidas a testes pré-natais de rotina, incluindo testes para anticorpos de Rubéola.

Dr.a Chan Im Kuan, directora do Centro de Saúde do Fai Chi apresentou o rastreio da Rubéola pré-natal realizados nos centro de saúde. Em geral o centro de saúde distribui um boletim a todas as mulheres grávidas, o qual mostra que as mulheres grávidas fizeram os testes. Nos centros de saúde, são realizados testes de rotina para detecção da imunidade contra a Rubéola (anticorpos de IGG e IGM) a todas as mulheres grávidas.

A Rubéola é uma doença transmissível aguda do trato respiratório provocada pelo vírus da Rubéola e transmite-se principalmente através do contacto com as secreções do nariz e da garganta dos doentes, propagando-se a infecção mediante a inalação de gotículas de saliva ou contacto directo com doentes.

O período de incubação varia de 12 a 23 dias, sendo normalmente de 14 dias. A Rubéola possui alta contagiosidade. Uma semana antes de apresentar exantema os doentes podem já estar contagiados. As crianças infectadas apresentam febre, exantema corporal e inflamação dos gânglios linfáticos, enquanto os adultos apresentam dores de cabeça, tosse ligeira, conjuntivite e 1 a 5 dias de febre ligeira, surgindo, em seguida, também erupção na pele, como nas crianças, até 5 dias. Alguns dos infectados não manifestam erupção cutânea.

ALERTA IMPORTANTE: as grávidas, sem anticorpos, caso sejam infectadas pela Rubéola nas primeiras 16 semanas do parto, podem abortar, morte fetal ou os recém-nascidos apresentarem síndroma da Rubéola congénita. As manifestações da síndroma da Rubéola congénita abrangem surdez, defeitos oculares, doença cardíaca congénita ou retardo mental, entre outras.

A vacinação de VASPR (MMR) constitui o mais eficaz método para a prevenção da infecção da Rubéola, e 95% dos vacinados podem produzir anticorpos eficazes durante a vida inteira.

Os Serviços de Saúde de forma a prevenir a infecção da Rubéola recomendam que os residentes com idade entre 1 e 17 anos cumpram o Programa de vacinação dos Serviços de Saúde e após a 1ª dose da vacina devem se submetidos a uma segunda dose da vacina MMR.

Os indivíduos que ainda não tenham sido vacinados podem recorrer aos centros de saúde para administrarem a vacina.

As mulheres em idade fértil que não tenham tido Rubéola, ou não tenham sido vacinadas contra Rubéola, devem deslocar-se ao Centro de Saúde para lhes ser administrada a vacina, sendo esta gratuita para os residentes de Macau.

Dado que a vacina MMR é uma vacina viva, as mulheres grávidas não podem ser vacinadas, as mulheres em idade fértil devem evitar engravidar durante três meses após a vacinação.

Os cidadãos que durante o período de viagem ou após voltarem a Macau apresentem sintomas de febre, inflamação evidente dos gânglios linfáticos e erupção corporal, durante o período de viagem ou após o regresso a Macau, devem usar máscara e recorrer no mais curto espaço de tempo possível ao médico, informando o médico da história detalhada de viagem e de contacto.

Os Serviços de Saúde apelam aos cidadãos que submetam os filhos à administração de vacina conforme o Programa de Vacinação de Macau (PVM), prestando atenção aos seguintes factores:

- Dado que mulheres grávidas ou com intenção de engravidar não podem ser inoculadas contra Rubéola (MMR), as viagens às zonas afectadas pela Rubéola não são aconselhadas;

- Não são aconselhadas viagens para as zonas afectadas com bebés que tenham menos de um ano ou que não tenham recebido vacina anti-Rubéola. Os anti-corpos adquiridos pela criança através da mãe, naquela idade, começam a diminuir gradualmente. O efeito da vacinação neste grupo etário é reduzido, sendo por isso considerado, que este grupo é facilmente infectado pela Rubéola. Caso seja mesmo necessário viajar com crianças para a zona afectada é aconselhável que lhes seja administrada a vacina anti-Rubéola, de acordo com as recomendações dadas pela autoridade de saúde dessa região;

- As crianças entre os 12 e 18 meses de idade devem ser vacinadas com VASPR (MMR), as crianças com idades compreendidas entre um (1) e 17 anos que não receberam duas doses de vacinas anti-Rubéola, bem como as mulheres em idade fértil que não tenham tido Rubéola ou não tenham sido vacinadas contra Rubéola, devem deslocar-se ao Centro de Saúde para lhes ser administrada a vacina, sendo esta gratuita para os residentes de Macau;

Outros alertas:

- Cumpre com cortesia a protecção do tracto respiratório, não toque nos olhos, nariz e boca antes de lavar as mãos;

- Pessoas imuno-comprometidas devem evitar deslocar-se a locais lotados ou instituições médicas;

Caso note a manifestação de sintomas suspeitos, use máscara e recorra a uma consulta médica.

Em caso de dúvidas os residentes podem aceder à página electrónica dos Serviços de Saúde (http://www.ssm.gov.mo) ou ligar para a linha verde 2870 0800.

Foto:

Conferência de imprensa com Dr. Lam Chong, Chefe do Centro de Prevenção e Controlo de Doenças; a Dr.a Chan Im Kuan, Directora do Centro de Saúde do Fai Chi Kei e a Dr.a Mui Po, Médico Assistente do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar