Macau recebe workshop organizado pelo Centro de Cooperação dos Medicamentos Tradicionais da OMS para promover o desenvolvimento da medicina tradicional e integra-la no sistema de cuidados de saúde

Fotos dos participantes no WorkShop

O 4.º Workshop de Formação Regional da Organização Mundial de Saúde: “Integração de Medicamentos Tradicionais no Sistema de Saúde e nos Serviços de Protecção de Saúde”, organizado pela Organização Mundial de Saúde e patrocinado e empreendido pelo Governo da Região Administrativa Especial de Macau, foi realizado no dia 4 de Julho. Estiveram presentes na cerimónia de inauguração: Dr. Lei Chin Ion, Director dos Serviços de Saúde, Dr. Kuok Cheong U, Sub-Director dos Serviços de Saúde, Dr. Cheang Seng Ip, Sub-Director dos Serviços de Saúde, Dr.a Ho Ioc San, Sub-Directora dos Serviços de Saúde, Dr.a Li Yachan, Directora do Centro de Cooperação dos Medicamentos Tradicionais da Organização Mundial de Saúde, Dr. Lo Iek Long, Assessor do Gabinete do Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Dr. Chan Iek Lap, Vice-Presidente do Conselho para os Assuntos Médicos e membros, o Chefe do Departamento de Funcionamento e Segurança dos Serviços de Saúde, de Medicina Tradicional e da Medicina Complementar e da Medicina Integrada da Organização Mundial de Saúde, Dr. Zhang Qi, bem como, peritos e consultores convidados pela Organização Mundial de Saúde.

O Chefe Dr. Zhang Qi disse, no seu discurso, que a capacitação é uma parte importante da implementação da estratégia de medicina tradicional da OMS, portanto, o Workshop de Formação Regional é muito importante para apoiar a implementação da estratégia global de medicina tradicional. Espera-se que, através de workshops de formação, todos os países possam compreender de forma mais abrangente como implementar a estratégia da medicina tradicional da OMS, melhorando a capacidade dos países de integrar a medicina tradicional no sistema nacional de saúde e nos serviços de protecção de saúde. Dr. Zhang Qi expressou, ainda, os seus agradecimentos ao Governo da RAEM pelo apoio dado à OMS na organização de 12 Workshops da Formação Regional desde 2011. Acrescentou que a medicina tradicional e complementar é uma parte integral importante dos cuidados de saúde, especialmente, na gestão e prevenção de doenças crónicas relacionadas com o estilo de vida e na resposta às necessidades de saúde da população idosa, ou seja, a integração da medicina tradicional no sistema de cuidados de saúde primária pode contribuir para alcançar a cobertura universal de saúde e as metas de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas.

Para oferecer apoio aos Estados-Membros a OMS lançou uma série de trabalhos nomeadamente, em Maio deste ano, a OMS incorporou pela primeira vez a medicina tradicional na classificação internacional da doença ICD-11 e divulgou durante a Assembleia Mundial de Saúde deste ano, o “Relatório Global sobre Medicina Tradicional em 2019”. O relatório abrange os dados e informações mais recentes dos Estados-Membros, manifestando a tendência global da medicina tradicional, durante os últimos 20 anos e verifica-se que nos 179 Estados-Membros há um progresso significativo revelando uma tendência geral de crescimento.

A integração da medicina tradicional no sistema nacional de protecção de saúde é um dos principais desafios enfrentados pelos Estados-Membros da OMS na implementação da estratégia de medicina tradicional da OMS. A Declaração de Astana emitida em 2018 no Congresso Global para Comemoração do 40º Aniversário da Declaração de Alma-Ata sobre os Cuidados de Saúde Primária enfatizou-se a importância da integração apropriada da medicina tradicional nos serviços de saúde.

A Directora do Centro de Cooperação dos Medicamentos Tradicionais da Organização Mundial de Saúde, Dr.a Li Yachan, aludiu no seu discurso que o Governo da RAEM sempre atribuiu grande importância à aplicação da medicina tradicional nos Subsistemas dos Serviços de Saúde e integrou-a no sistema de prestação dos serviços de cuidados de saúde e de protecção de saúde. Em simultâneo procedeu à melhoria gradual de leis e diplomas legais relacionados com a medicina chinesa e à criação de um sistema de supervisão para os serviços médicos da medicina tradicional chinesa. Foram também introduzidas melhorias no regime de avaliação de registo de produtos farmacêuticos e ao desenvolvimento da formação de pessoal.

Actualmente, existe um modelo com características próprias em Macau que combina a medicina moderna e medicina tradicional e coexiste nos serviços médicos públicos e privados.

O Governo da RAEM sempre atribuiu importância à cooperação com a OMS, e desde a cooperação entre as duas partes no campo da medicina tradicional em 2011, foram organizadas diversas iniciativas entre as quais se incluem: 12 workshops de formação regional da OMS; reuniões de peritos; reuniões inter-regionais; Fórum Internacional de Medicina Tradicional. Foram ainda realizados 12 workshops de formação em medicina chinesa, fornecendo a formação a mais 1.700 profissionais locais de medicina tradicional chinesa. Tudo isto realizado com o objectivo de promover o desenvolvimento e a integração da medicina tradicional global e, ao mesmo tempo, aumentar a visão internacional, a participação e a capacidade de serviço dos profissionais chineses da medicina tradicional chinesa.

Nos últimos anos, com a promoção activa da OMS, a medicina tradicional tornou-se uma parte importante dos intercâmbios e cooperação no campo da saúde em vários países. O Centro de Cooperação dos Medicamentos Tradicionais da Organização Mundial de Saúde continuará a apoiar os trabalhos sobre o desenvolvimento e a integração da medicina tradicional promovidos pela OMS, a reforçar intercâmbios e cooperação com países, especialmente com os países que fazem parte do projecto “Uma Faixa, uma Roda”, no campo da medicina tradicional, de modo a construir uma plataforma de intercâmbios e cooperação de medicina tradicional internacional destinada aos gestores de saúde e especialistas em medicina tradicional de vários países de modo a partilhar experiências e práticas, o que pode concretizar a boa visão da “Saúde para Todos” da OMS e reforçar a influência internacional de Macau.

O Workshop de Formação Regional da OMS realiza-se de 4 a 6 de Julho com o tema “Integração de Medicamentos Tradicionais no Sistema de Saúde e nos Serviços de Protecção de Saúde”, realizado por especialistas, académicos, gestores e profissionais de medicamentos tradicionais provenientes de vários países, a fim de realizar a discussão, intercâmbio interactivo, compartilhamento de experiências, promoção do desenvolvimento da integração da medicina tradicional no sistema nacional de saúde de todos os países, e garantia da qualidade dos serviços médicos da medicina tradicional e promoção do desenvolvimento da medicina tradicional global.

Participaram no workshop de formação regional 35 funcionários governamentais de gestão de saúde e especialistas médicos tradicionais proveniente de 18 países e regiões, incluindo os Estados Unidos, Interior da China, RAEHK e RAEM, Egipto, Índia, Moçambique, Mianmar, Peru, Tanzânia. O workshop de formação local será realizado no dia 7 de Julho. Os especialistas nacionais em Medicina Tradicional Chinesa ensinaram orientações de medicina chinesa e a sua aplicação aos médicos da medicina tradicional chinesa, mestres da medicina tradicional chinesa e profissionais de medicina tradicional chinesa.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar