Chefe do Executivo preside à Inauguração da Academia Médica de Macau

Chefe do Executivo, Dr. Chui Sai On, preside à Cerimónia

O Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau, Dr. Chui Sai On, presidiu, sábado, 13 de Julho, à cerimónia de inauguração e Atribuição de Certificado aos Membros da Academia Médica de Macau.

A cerimonia contou, ainda, com a presença do Vice-Ministro da Comissão Nacional de Saúde, Dr. Yu Xuejun, Vice-Director do Gabinete de Ligação do Governo Popular da China na Região Administrativa Especial de Macau, Dr. Xue Xiaofeng, Comissária substituta do Comissariado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China na Região Administrativa Especial de Macau, Drª. Wang Dong, Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura da Região Administrativa Especial de Macau, Dr. Alexis Tam Chong Weng, Director dos Serviços de Saúde da Região Administrativa Especial de Macau, Dr. Lei Chin Ion e o Presidente do Conselho de Especialidades da Academia Médica de Macau, Dr. Hung Chi Tim.

Estiveram também presentes na cerimónia mais de 30 convidados provenientes de Hong Kong, de outras regiões, países e representantes de instituições médicas e membros da Comissão para as Assuntos Médicos.

Chefe do Executivo atribuiu certificado aos dois primeiros académicos

O Chefe do Executivo presidiu à cerimónia de iluminação, que simboliza a criação oficial da Academia Médica de Macau, tendo entregue os primeiros certificados ao Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion e ao Presidente Hung Chi Tim, ambos membros do Conselho de Especialidades da Academia Médica de Macau.

O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Dr. Alexis Tam Chong Weng entregou certificados a 19 membros do Conselho de Especialidades, o Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, entregou os certificados aos presidentes dos vários colégios, aos membros dos grupos especializados e aos membros da equipa de formação. O Presidente da Academia Médica, Dr. Hung Chi Tim, acompanhado com os presidentes dos vários colégios efectuou a entrega dos certificados aos académicos dos colégios, respectivamente. A cerimónia de inauguração encerrou com um discurso do professor Dr. Lau Chak-sing, presidente da Academia Médica de Hong Kong, sobre as "Interferências na Medicina".

Academia Médica de Macau simboliza nova fase de formação de talentos médicos

No discurso inaugural da Academia Médica, o Professor Hung Chi Tim, também Presidente do Conselho de Especialidades, agradeceu ao Chefe Executivo da Região Administrativa Especial de Macau, Dr. Chui Sai On, ao Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Dr. Alexis Tam Chong Weng, ao Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, ao Hospital Kiang Wu, ao Hospital da Universidade de Tecnologia e Ciência, aos colegas da profissão médica e até aos médicos seniores das regiões vizinhas o apoio prestado na criação da Academia Médica de Macau. Mencionou, a propósito, que os académicos devem dar muita atenção à formação e desenvolvimento profissional contínuos, devem munir-se dos mais recentes conhecimentos, técnicas e tecnologias médicas para lidar com os desafios do futuro. Esta capacidade proporciona aos cidadãos um serviço médico melhor e mais profissional como também pode dar resposta a muitos desafios no futuro. Para o presidente da Academia Médica espera-se que no futuro , além dos laços já criados com a Academia de Hong Kong, a Academia Médica de Macau possa criar uma ligação mais estreita e mais oportunidades de cooperação com outras entidades médicas do exterior.

Por seu turno o Vice-Ministro da Comissão Nacional de Saúde, Dr. Yu Xuejun, manifestou enorme congratulação pela fundação da Academia Médica de Macau e pelo acordo de cooperação e intercâmbio celebrado entre a Academia Médica de Macau e Hong Kong. O Dr. Yu Xuejun mencionou que “a criação da Academia Médica de Macau faz com que o sistema de formação médica de Macau se torne mais padronizado, marcando que o desenvolvimento médico e a formação do pessoal médico de Macau entre numa nova fase”. Esta melhoria ajuda na promoção do desenvolvimento de medicina diferenciada e na formação de um modelo de formação unificada em Macau, criando melhores condições para jovens médicos planearem a sua carreira profissional, aumentando o reconhecimento e confiança dos residentes locais nas diferentes especialidades. O Vice-Ministro da Comissão Nacional de Saúde, Dr. Yu Xuejun ressalvou que a Comissão Nacional de Saúde “está disposta a promover a formação e o desenvolvimento padronizado dos médicos especialistas entre o Interior da China, Hong Kong e Macau, de modo a que se consiga formar uma aprendizagem mútua que leve a um complementaridade e progresso mútuo.”

Em Fevereiro deste ano, a China anunciou as "Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau". A este respeito a Comissão Nacional de Saúde já estabeleceu necessidades sendo que a província de Cantão (Guangdong) assume um papel principal na implementação do planeamento, tendo já convocado, por duas vezes, Hong Kong e Macau a estabelecer uma Cooperação na área de Saúde e Higiene da Região Metropolitana da Grande Baía Cantão (Guangdong) - Hong Kong – Macau, na qual foram assinados mais de 80 projectos de cooperação.

A Comissão Nacional de Saúde está disposta, também, no âmbito do Acordo de Estreitamento das Relações Económicas e Comerciais entre o Continente Chinês e Macau, realizar um esforço no apoio do Estado para experimentar um conjunto de políticas abertas de saúde e aumentar o apoio à construção da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau. Assim , “damos as boas-vindas a especialistas da Academia de Medicina de Macau para partilhar e partilhar os modelos de formação e experiências de especialistas. Promover a interacção médica e a interacção mútua e, em conjunto, melhorar e fornecer melhores serviços médicos e de saúde para residentes no continente e em Hong Kong e Macau.”

Já o Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Dr. Alexis Tam Chong Weng, salientou que durante os 20 anos que já decorreram desde a criação da RAEM, sob o apoio da Comissão Nacional de Saúde e a liderança do Chefe do Executivo, Dr. Chui Sai On, a profissão médica tem sido desenvolvida e a saúde dos residentes tem melhorado de forma contínua. “Os bons indicadores de saúde dos residentes de Macau reflectem a eficácia impressionante das técnicas (incluindo a cirurgia e medicina interna), qualidade e desenvolvimento dos cuidados médicos especializados de Macau. O nível de especialidades do hospital atingiu os padrões internacionais e tem sido amplamente reconhecido pela sociedade.” O doutor Alexis Tam salientou, ainda, que a Academia Médica tem um longo caminho a percorrer e passa a desempenhar a longo prazo, um papel importante na formulação da política de desenvolvimento médico e na estratégia de desenvolvimento de talentos especializados de Macau, bem como na promoção do desenvolvimento de serviços médicos especializados em Macau. “Espera-se que com a criação da Academia Médica de Macau, o desenvolvimento profissional dos médicos seja optimizado. A Academia Médica vai especificar, de forma clara, o novo panorama de reforma e de desenvolvimento do internato complementar. A partir de agora, os médicos que concluírem o internato complementar e que queiram ser admitidos quer no hospital público quer no privado ou em clínicas privada, as qualificações devem ser padronizadas de acordo com o novo regime e uniformes ao internato complementar padronizado adoptado internacionalmente.” Em coordenação com a conclusão do futuro Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas e com a implementação do “Regime Legal da Qualificação e Inscrição para o Exercício de Actividade dos Profissionais de Saúde”, a qualidade dos serviços médicos em Macau em hardware e software irá ser melhorada. No fim, o Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura também encorajou os médicos a contribuírem com seus pontos fortes nas suas áreas profissionais e a levar a cabo as suas habilidades médicas e partilhar a sua experiência com as gerações mais jovens de modo a trabalhar em conjunto para melhorar a saúde dos residentes de Macau.

Academia Médica de Macau continuará a melhorar o trabalho de internato complementar

Em declarações aos jornalistas o Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion afirmou que a Academia Médica já esta em constituição desde Junho de 2018 e que ocupa o 19.º andar do Edifício Hotline. Com o apoio forte do Chefe do Executivo e do Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, em 21 de Setembro de 2018, o Conselho Executivo concluiu a discussão sobre a proposta de regulamento administrativo «Alteração à organização e funcionamento dos Serviços de Saúde». Após a entrada em vigor em 4 de Outubro de 2018 a Academia Médica de Macau foi oficialmente constituída.

O Doutor Lei Chin Ion ressalvou que a actual Lei atribui características de autonomia académica e pedagógica à Academia Médica de Macau, cuja principal função é elaboração, uniformização e coordenação de padrões, regime de formação e programas de formação dos médicos especialistas do sector público e privado de Macau, promoção contínua de melhoramento de habilidades e conhecimentos de medicina especializada, bem como regulação e reconhecimento das qualificações de médicos especialistas adquiridas em áreas fora de Macau, supervisão de estágios e critérios de avaliação, entres outros matérias. A situação actual dos médicos especialistas em formação independente dos Serviços de Saúde e do Hospital Kiang Wu será unificada, sendo um marco importante no desenvolvimento de especialidades de Macau.

Os destinatários de formação da Academia Médica são aqueles médicos que obtiveram a licenciatura em medicina geral. A Academia Médica fornece uma duração de 6 anos de internato complementar e também um programa de educação médica contínua para médicos especialistas em serviço. O Doutor Lei Chin Ion referiu que a maior parte da formação será realizada no hospital e que algumas das simulações serão organizadas nos centros de simulação e treino de habilidades na Academia. Além de organizar treino local para os internos, a Academia também organizará os internos para receber formação em diferentes países ou regiões, e aqueles que passem no programa de formação da Academia tornar-se-ão académicos da Academia Médica.

O Director dos Serviços de Saúde salientou que, embora a sociedade tenha opiniões diferentes sobre o estabelecimento do sistema de académicos, na fase inicial da criação da Academia Médica, a fim de começar o trabalho de especialidades, é necessário ter os médicos especialistas com qualificações académicas, pelo que a Academia Médica precisa admitir o primeiro grupo de académicos.

Tendo em consideração que o período de internato complementar tem uma duração de 3 a 6 anos em diferentes hospitais, portanto, os critérios de avaliação do primeiro grupo de académicos são considerados principalmente em factores como o período de reconhecimento de formação dos candidatos, a experiência profissional dos médicos especialistas, a disponibilidade ou não de outras qualificações profissionais e cursos de treinamento, e a boa e contínua prática de actividades, etc.

Até 30 de Junho de 2019, tinham sido recebidos 733 pedidos para inscrição de académicos, sendo 384 aprovados para admissão, dos quais 320 (83,3%) obtiveram a licenciatura de medicina no Interior da China, 30 em Portugal (7,8%), 16 em Hong Kong (4,2%), 11 em Taiwan (2,9%) e 7 em outros países (1,8%). Os restantes pedidos ainda estão em processo de decisão e as aplicações relevantes continuam a ser analisadas até ao início de Junho do próximo ano.

A Academia possui 12 colégios de especialidades e 41 especialidades e, no futuro, cada colégio e especialidades devem formular programas de treino e padrões uniformes para as suas reais necessidades.

Actualmente, os Serviços de Saúde possuem 133 internos de internato complementar, e o primeiro grupo formar-se-á em 2021. Além disso, após a entrada em vigor das leis e regulamentos relevantes sobre a formação de especialidades, os concursos de abertura para internato complementar serão realizados regularmente, sendo o período de formação de 6 anos. No futuro, o número de académicos admitidos a cada ano depende do número de candidatos do concurso de abertura a cada ano e também do número de internos que completam o internato complementar.

ACADEMIA MÉDICA DE MACAU E DE HONG KONG CELEBRARAM ACORDO DE COOPERAÇÃO E INTERCÂMBIO

Antes da cerimónia inaugural a Academia Médica de Macau e a Academia Médica de Hong Kong assinaram um acordo de troca e de cooperação. O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Dr. Alexis Tam Chong Weng, Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, a Coordenadora da Academia Médica de Macau, Drª. Lam Wan Leng, o Membro do Conselho de Especialidades da Academia Médica de Macau, Dr. Cheong Iok Meng, Secretária para a Alimentação e Saúde do Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, Drª Sophia Chan, Directora do Departamento de Saúde do Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, Dr.ª Constance Chan,Vice-Presidente (Assuntos Gerais) da Academia Médica de Hong Kong, Dr. LAU Chor-chiu, e Vice-Presidente (Educação e Exames) da Acadmeia Médica de Hong Kong (Educação e Exames), Dr. Gilberto Leung, testemunharam a assinatura do acordo.

Através deste acordo de cooperação, a Academia Médica de Hong Kong fornecerá assistência e apoio a todos os cursos de pós-graduação nos aspectos de educação médica, treino e avaliação.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar