Realização da reunião plenária do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior

Reunião Plenária do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior-1

Realizou-se, no passado dia 12 de Setembro, no Salão de Conferências Confúcio, no primeiro andar da Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ), a 3.ª reunião plenária deste ano do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior, presidida pelo seu vice-presidente, Lou Pak Sang, director dos Serviços de Educação e Juventude. Na reunião foram abordados os seguintes temas: discussão sobre a participação no estudo “Tendências do Estudo Internacional de Matemática e Ciências”, apresentação da revisão do regulamento administrativo “Regime do ensino técnico-profissional” e introdução ao novo sistema de classificação do sinal de chuvas intensas da Direcção dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos e consulta das medidas relativas à entrada e saída da escola.

Durante a reunião, a Coordenadora da Inspecção Escolar da DSEJ, Wong I Lin, apresentou os trabalhos da participação nos estudos de avaliação internacional e referiu que, em resposta às necessidades do futuro desenvolvimento, se tornou necessário cultivar nos alunos, desde pequenos, o pensamento operacional e a investigação com práticas manuais, entre outras capacidades, de modo a resolver os problemas enfrentados no quotidiano. Para avaliar o desempenho das literacias dos alunos, Macau tem participado no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), que avalia as três literacias científica, em leitura e matemática, de alunos com 15 anos de idade, bem como no Progresso no Estudo Internacional da Literacia de Leitura (PIRLS), que avalia a capacidade e nível de leitura dos alunos do quarto ano do ensino primário. No sentido de avaliar, de forma mais objectiva, a capacidade matemática e científica dos alunos do quarto ano do ensino primário de Macau, a DSEJ planeia participar no estudo “Tendências do Estudo Internacional de Matemática e Ciências 2023” (TIMSS). Espera-se que os três resultados do PISA, PIRLS e TIMSS, possam servir de fundamento para a autoridade e os intervenientes na área da educação melhorarem as políticas educativas e do ensino.

O chefe da Divisão de Estudos e Apoio à Reforma Educativa da DSEJ, substituto, Cheang Sek Kit, apresentou a revisão do regulamento administrativo “Regime do ensino técnico-profissional”. Depois da conclusão da consulta pública do regulamento e da publicação, neste ano, do relatório final, a DSEJ resumiu as opiniões dos sectores sociais, que definiram seis principais pontos básicos e elaborou o regulamento, no sentido de melhorar o regime do ensino técnico-profissional ao nível do ensino secundário complementar. As prioridades da revisão do regulamento incidiram sobre a criação de cursos, a configuração curricular e a organização do estágio profissional; sob o quadro da reforma curricular, foi ajustada a configuração curricular do ensino técnico-profissional, reforçando a cooperação entre escolas e empresas e a ligação com o ensino superior, elevando, plenamente, a qualidade dos cursos e atendendo à base cultural e às necessidades de aprendizagem das técnicas profissionais, em simultâneo, permitindo a flexibilidade no ensino, aprendizagem, estágio e avaliação e promovendo o desenvolvimento dos cursos do ensino secundário técnico-profissional a longo prazo.

Durante a reunião, o Chefe da Divisão de Meteorologia, substituto, da Direcção dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos, Lao Ieng Wai, apresentou o sistema de classificação, em três níveis, do sinal de chuvas intensas, que aquela Direcção de Serviços pretende lançar e o chefe funcional do Departamento de Ensino da DSEJ, Kou Iao Choi, referiu que esta Direcção de Serviços, face ao novo sistema de classificação do sinal de chuvas intensas da Direcção dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos, procedeu à consulta das medidas relativas à entrada e saída da escola, em que, ponderou relativamente à emissão do sinal de chuvas intensas de nível 1 (20 mm), devido ao impacto da chuva na deslocação, sugerir, às escolas, que considerem a isenção de marcação de atrasos aos alunos; quando for emitido o sinal de chuvas intensas de nível 2 (50 mm), que prevê o aparecimento de inundações e possíveis riscos de segurança, aconselhou-se manter as actuais disposições da suspensão de aulas das “Medidas a adoptar pelas escolas em situação de tempestade tropical, de chuva intensa e em condições meteorológicas adversas”; quando for emitido o sinal de chuvas intensas de nível 3 (80 mm), para além de adoptar as medidas da suspensão de aulas e, ponderando a acumulação da precipitação, exortou as escolas, situadas em zonas baixas, a estarem atentas, especialmente à prevenção de catástrofes e respectivas disposições. Além disso, durante a suspensão de aulas devido às chuvas intensas, as escolas devem manter as suas instalações abertas e, para os alunos que cheguem às escolas, não devem pedir o seu regresso imediato a casa devido às chuvas intensas; as escolas devem também conceber, de acordo com as diversas condições climáticas adversas ou a localização da escola em zonas de fácil inundação, as suas próprias instruções e medidas adequadas de suspensão de aulas.

Estiveram ainda presentes os seguintes vogais do Conselho de Educação para o Ensino Não Superior: Leong Vai Kei, Guo Xiaoming, Teng Sio Hong, Chan Hong, Bao King To, Miguel Senna Fernandes, Wong Wai Kit, Lao Man Io, Leong Si Pui Cecilia, Kwan Fung, Vong Pui San, Kun Lai Ian, Huang Zhi Rao, Ng Siu Lai, Maria Isabel Gomes dos Santos Marreiros, Lai Sai Kei, Alejandro Salcedo Garcia, Ho Kuai Leng, Lam Chung Kong, Wang Dong, Wan Sou Leng, Fu Lam Kam e Leng Weng San.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar