Serviços de Saúde: Vacina contra Tosse Convulsa integrada do Programa de Vacinação devido a aumento epidémico de casos

Os casos de Tosse Convulsa estão a subir um pouco por todo o mundo e nas regiões vizinhas. Em Macau também foi registado um aumento significativo do número de casos de Tosse Convulsa no primeiro semestre de 2018.

Com o intuito de proteger a saúde de bebés, no ano passado, os Serviços de Saúde começaram a alterar o programa de vacinação, visando adicionar os conteúdos de vacinação para mulheres grávidas e crianças com idade mais avançada.

A alteração foi anunciada pelo despacho do Chefe do Executivo n.º 210/2018, e entrou em vigor em Setembro de 2018.

A tosse convulsa é causada por um cocobacilo Bordetella pertussis, sendo transmitida por via de gotículas de saliva através da tosse, conversa em alta voz e espirros de doentes infectados. Devido à fraca resistência ambiental do cocobacilo Bordetella pertussis, geralmente, não pode ser transmitida por via indirecta. Após a infecção, o doente apresenta sintomas tais como tosse espasmódica, sibilação e vómito. Caso o infectado não seja submetido a tratamento adequado a doença pode prolongar-se até 3 meses, havendo o risco de causar outras complicações como pneumonia ou encefalopatia e até a morte.

A vacinação é a medida preventiva mais eficaz para a tosse convulsa. A taxa efectiva de administração de 3 doses da vacina contra Tosse Convulsa é de 80 a 90% e é maior após a quarta dose administrada aquando da idade de 1 ano e meio. Nos últimos 30 anos, após esta obrigatoriedade, os casos de tosse convulsa tornaram-se raros.

Nos últimos 10 anos, a incidência de tosse convulsa tem registado um crescimento a nível mundial sendo uma das razões prováveis a diminuição de casos com infecções espontâneas; anticorpos das grávidas e de outros adultos a sofrerem uma redução gradual. Em Macau nos últimos anos tem sido utilizada uma vacina contra tosse convulsa de curto efeito e que causa efeitos secundários.

Entre 2015 e 2017 apenas foi registado um caso de Tosse Convulsa por ano. No entanto em 2018 foram registados 5 casos. A maioria dos pacientes tinha menos de 3 meses de idade. Nenhum deles tinha completado o programa de vacinação contra Tosse Convulsa, e foram infectados devido a insuficiente protecção.

A vacinação de grávidas é extremamente importante para prevenir que a Tosse Convulsa ocorra em bebés. Hoje em dia existem muitos estudos que comprovam que a vacinação contra a Tosse Convulsa para mulheres grávidas é segura e eficaz durante a gravidez, e que pode aumentar os níveis de anticorpos materno passando os mesmos para o feto evitando assim a infecção de bebés que não tenho completado o programa de vacinação após o nascimento.

Segundo as recomendações da OMS e as referências de vacinação em países avançados da Europa e dos EUA, os Serviços de Saúde, desde Setembro de 2018, estão a procedera à administração de vacinas contra a Tosse Convulsa às mulheres grávidas entre as semanas 27 e 36 de gestação. Até ao dia 10 de Janeiro de 2019 foram vacinadas 2.600 mulheres grávidas.

As mulheres grávidas com 27 a 36 semanas de gestação, aquando do exame regular pré-natal nos Centros de Saúde e nos Postos de Saúde, ou no Hospital Kiang Wu, podem receber as vacinas. A vacinação não carece da marcação. Para informações detalhadas, os interessados podem ligar para a linha aberta de informações dos Serviços de Saúde (28 700 800).



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar