Expostos aos elementos e sob um amplo céu aberto, seis habitantes de uma comunidade isolada de montanha enfrentam uma realidade confusa e dão respostas viscerais a uma solidão inevitável.

O grupo belga de teatro físico Peeping Tom, conhecido pelos seus trabalhos provocadores, irá apresentar uma colisão hiper-realista com feitos físicos de nos deixar boquiabertos. Uma realização cinemática, humor macabro e inquietante banda sonora de Bellini, Stravinsky e Pink Floyd. Quando a fronteira entre a realidade e a imaginação se esbate, as personagens perdem-se num mundo assombrado onde a humanidade e o humor acentuam o seu isolamento.

Uma das fontes inspiradoras da peça é o filme A Balada de Narayama, de Shohei Imamura, onde uma mulher idosa é levada pelo seu filho para o topo da montanha para ali morrer. Rua Vandenbranden, 32 é uma torrente do subconsciente, intoxicante e sem género definível: poética, fascinante e totalmente original.

Conceito e Direcção: Gabriela Carrizo e Franck Chartier
Dança e Criação: Jos Baker, Eurudike De Beul / Madiha Figuigui, Marie Gyselbrecht, Hun-Mok Jung, Maria Carolina Vieira (anteriormente: Sabine Molenaar) e Seoljin Kim
Dramaturgia: Hildegard De Vuyst e Nico Leunen
Co-produção: Koninklijke Vlaamse Schouwburg, Künstlerhaus Mousonturm Frankfurt am Main, Le Rive Gauche, La Rose des Vents, Theaterfestival Boulevard’s- Hertogenbosch / Theater aan de Parade / Verkadefabriek, Gessnerallee Zürich, Cankarjev Dom e Charleroi danse.

Duração: aproximadamente 1 hora e 20 minutos, sem intervalo
Não é aconselhável a menores de 13 anos (conteúdo para adultos)

Mais detalhes

Rua Vandenbranden, 32


Conteúdo fornecido por: Instituto Cultural (IC)

Última actualização: 2018-05-03 19:55

Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar