Macau registou dois novos casos confirmados de infecção com novo tipo de coronavírus – Governo da RAEM volta a apelar os cidadãos para não sair de casa – Há fornecimento suficiente de alimentos   

O Governo da RAEM apelou os residentes a evitar sair e afirmou que é suficiente fornecimento de alimentos, pelo que não devem ser preocupado com a fazer os alimentos rapidamente

O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus anunciou em conferência de imprensa, 4 de Fevereiro, a situação mais recente sobre o novo coronavírus e as várias medidas de prevenção e controlo em Macau tendo em conta os últimos desenvolvimentos da epidemia.

A Vice-Presidente do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, a Secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Dra. Ao Ieong U referiu que o Governo iniciou medidas antiepidémicas, que já não são um alerta precoce e que não envolvem num mecanismo de classificação. As medidas antiepidémicas actuais estão em conformidade com as medidas apropriadas de acordo com a Lei n.º 2/2004 «Lei da prevenção, controlo e tratamento de doenças transmissíveis. Ressalvou como o Chefe do Executivo tinha mencionado, o período de pico da epidemia pode ocorrer nos próximos 7 a 10 dias, e o Governo da RAEM está confiante nas medidas de prevenção e controlo de epidemia em Macau. Enfatizou que o que é mais importante é a cooperação dos cidadãos de Macau, nomeadamente evitar sair o máximo possível, reduzir o contacto entre as pessoas e reduzir o risco de transmissão e infecção, tanto quanto possível, acreditando que com o esforço feito por pessoal de linha de frente como profissionais de saúde, bombeiros e funcionários de alfândega, bem como com a cooperação de todos os cidadãos de Macau, a epidemia pode ser ultrapassada. Em termos de reservas de materiais, a primeira prioridade é garantir que os materiais médicos sejam suficientes. O Governo da RAEM também comprará as máscaras para cidadãos de Macau a qualquer custo e também serão introduzidas as máscaras para crianças em futuro próximo. Em termos de alimentos, também há um amplo fornecimento, pelo que apelou os cidadãos para não comprar à toa. Em termos de transporte público, a frequência será reduzida ainda mais e os cidadãos são instados a reduzir as deslocações e a utilização de transporte público. Além disso, sob as medidas adicionais tomadas pelo Governo da RAEM, acredita-se que o número de trabalhadores não residentes e turistas diminuirá significativamente, por isso apela-se as empresas de Macau para cooperar com o Governo para minimizar as actividades económicas, a fim de tentar reduzir ainda mais o contacto humano, acabando por diminuir a oportunidade de infecção com o coronavírus.

O Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Lei Wai Nong, referiu que, com base na avaliação geral do Centro de Coordenação de Contingência, a fim de evitar o risco de disseminação de novo tipo de coronavírus em Macau, o Governo da RAEM aprovou, por meio do Despacho do Chefe do Executivo, os 41 recintos de exploração de jogos de fortuna ou azar em Casino na RAEM e outras instalações de entretenimento, incluindo: casinos, cinemas, teatros, parques de diversão em recintos fechados, bares, discotecas, etc. estarão fechados por 15 dias a partir das 00:00 do dia 05/02/2020. Quanto ao encerramento temporário de locais de entretenimento, isto aplica-se apenas à área de jogos. Considerando que ainda existem alguns turistas em hotéis, os serviços de restaurantes continuarão a ser prestados, de acordo com a avaliação de risco actual. As medidas actuais são suficientes. Estas medidas foram discutidas pelo Chefe de Executivo e as seis empresas concessionárias de jogo, Sociedade de Lotarias e Apostas Mútuas de Macau, Lda. e a Companhia de Corridas de Cavalos de Macau, sendo que as seis empresas concessionárias de jogo também prometeram não implementar medidas de licença não remunerada aos funcionários e garantiram que pagam salários a funcionários que não possam trabalhar durante a suspensão de exercício de actividade, o que mostra que toda a sociedade está comprometida com o combate à epidemia e confia na prevenção e controlo da epidemia.

Quanto ao armazenamento e fornecimento de cereais, óleo, alimentos enlatados e frescos em Macau, são suficientes e estáveis. É feito um alerta ao público para que não haja acumulação de alimentos em casa nem compras desenfreadas. O transporte marítimo, terrestre e aéreo de mercadorias está garantido sem obstrução. As mercadorias chegam a Macau todos os dias, pelo que as notícias negativas e falsas não ajudam o combate à epidemia.

O Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Lei Wai Nong também enfatizou que não devemos ser cegamente optimistas, mas também não podemos entrar em pânico nem pessimista. Espera-se que Macau lide com a situação epidémica, faça a gestão da situação epidémica e seja responsável perante a família e a sociedade. Também é desejo que todos possam ficar em casa conforme recomendação do Governo, reduzindo as actividades não necessárias. Em resposta ao impacto da epidemia na economia de Macau, o Governo da RAEM também preparou planos de contingência para aumentar a procura doméstica por meio de políticas fiscais, como ajustamento de impostos e taxas e aumento do investimento aquando das necessidades sociais e económicas.

Acredita-se que após a resolução da epidemia a economia pode ser recuperada quando a produção recomeçar. Actualmente, o Governo da RAEM considera primeiro a segurança da vida dos cidadãos e turistas. O Governo tem seguido o “princípio da manutenção das despesas dentro dos limites das receitas”, tendo as reservas fiscais actualmente excedido 570 mil milhões patacas. Agora é o momento em que o Governo precisa usar as reservas fiscais para impulsionar a economia. Destacou que, diante da actual situação, necessita-se uma confiança inabalável para assumir risco e o Governo possui planos de estabilizar a economia de Macau.

O Director da Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública, Dr. Kou Peng Kuan afirmou que foram emitidas directrizes ao sector público, as quais estipulam que apenas serviços de emergência essenciais serão fornecidos para manter a ordem pública, segurança, saúde e operações sociais básicas entre 5 e 7 de Fevereiro, enfatizando que a dispensa de funcionários públicos do trabalho tem objectivo reduzir o risco da propagação da doença, instando os funcionários públicos a cumprirem as suas obrigações, nomeadamente ficar em casa, se não for necessário, não sair.

O Presidente do Conselho de Administração para os Assuntos Municipais, Dr. José Tavares, mencionou que realizaram reuniões com os Grupos Nam Kwong e Nam Yuen e outras empresas, as quais prometeram assumir a responsabilidade social de manter o fornecimento de alimentos frescos e preços estáveis em Macau. Há muitos legumes, porcos vivos, carne congelada, frutas, peixe, ovos, etc. no mercado todos os dias, semelhantes ou até mais do que a quantidade normal. Em termos de inventário de carne congelada, o “stock” do Grupo Nam Kwong é de 1.600 toneladas e estima-se que existam 2.800 toneladas em Macau, o que é suficiente para o uso de Macau durante um mês. Além disso, para evitar a disseminação da epidemia na comunidade, serão interrompidos os serviços de aluguer de bicicletas em todos os parques, e também suspensos os serviços nas jardins, áreas de lazer, trilhos para caminhadas, parques caninos, escorrega de relva, áreas de recreação infantil, teleféricos do Jardim da Flora.

O Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, aludiu que as doenças infecciosas são de força maior e não podem ser previstas, pois depende da evolução epidemiológica no Interior da China, acrescentando que a epidemia ainda não atingiu o seu pico. A partir da tarde de terça-feira (dia 4), os médicos do Serviço de Urgência do CHCSJ podem verificar no sistema se os residentes de Macau visitaram nos últimos dias o Interior da China, o que ajudará a tomar medidas preventivas.

Desde o lançamento do plano do Governo da RAEM de garantir o fornecimento de máscaras aos residentes de Macau, recebeu o apoio do público, embora se tenha encontrado um problema de qualidade das máscaras ou da má utilização do bilhete de identidade na fase inicial do plano, a situação foi ultrapassada. O novo plano foi implementado por 3 dias e o fluxo de espera foi reduzido significativamente. Com a colaboração de três associações, nomeadamente, a União Geral das Associações dos Moradores de Macau,Associação Geral das Mulheres de Macau e Federação das Associações dos Operários de Macau, o tempo de venda será reduzido e o horário de venda foi alterado para 10h00 às 13h00 e 15h00 às 17h00. Três pontos de serviço em Seac Pai Van, foram reduzidos para um ponto de serviço (Centro de Dia da Pessoa Idosa da Associação Geral das Mulheres de Macau), ou sejs as autoridades farão os ajustes de acordo com o devido tempo.

O Director indicou que ontem um residente recorreu à Associação Geral das Mulheres de Macau para comprar máscaras e ficou insatisfeito. Mais tarde, foi ao Centro de Saúde Seac Pai Wan para pedir uma substituição. No entanto, ficou insatisfeito porque precisava esperar na fila e cuspiu nas máscaras no ponto de serviço, fazendo com que 300 máscaras fossem descartadas. O Director manifestou que o Governo definitivamente investigará os comportamentos relevantes e não os ira tolerar, relatou o caso à polícia e também apelou ao público que os residentes devem cumprir a disciplina e manifestou a seu agradecimento ao público pela cooperação no trabalho do Governo.

O Centro de Coordenação apontou que estão a ser consumidos cerca de 100 doses de reagentes por dia para detecção de infecção pelo novo tipo de coronavirus. Existem cercs de 3.000 doses de reagentes, que já chegaram, as Autoridades continuarão a adquirir os reagentes. O representante deste centro enfatizou que Macau tem capacidade de inspeção suficiente e, como os reagentes são enviados ao Laboratório de Saúde Pública junto do CHCSJ, por isso, a velocidade e o processo de inspecção são muito eficientes.

Em resposta à evolução da epidemia, o CHCSJ também tomou uma série de medidas para reduzir o risco de infecção ao público, incluindo a desocupação da enfermaria para os pacientes com histórico de hospitalização no Interior da China ou com historial de viagem ao Interior da China para o uso de fazer a exclusão por exames e para o acompanhamento por via telefónica.

Nas últimas 24 horas, até 15 horas de 4/2/2020, foram diagnosticados dois novos casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus em Macau. Os 10 doentes dos casos confirmados estão nas enfermarias de isolamento do CHCSJ, são considerados como casos ligeiros. Até as 15h00 de hoje (dia 4), há 253 casos suspeitos (incluindo 10 casos confirmados) em Macau, em 230 casos é excluída a infecção, 13 casos suspeitos cujo resultado do teste ainda está pendente, 17 casos de contacto próximo, 3 dos quais tiveram alta após o isolamento e foram os contactos próximos do doente do primeiro caso confirmado.

Actuamente, há 18 pessoas isoladas no Centro Clínico de Saúde Pública de Coloane, situado na Estrada do Alto de Coloane, 17 doentes do contacto próximo não têm febre nem sintomas, 1 caso suspeito cujo resultado do teste ainda está pendente está em boas condições.

Na reunião, o Centro de Coordenação também anunciou o paradeiro e actividades dos dois novos casos 14 dias antes do início dos sintomas desta doença, e o número de pessoas do contacto próximo e contacto geral (vide anexos). No que diz respeito aos nono caso e décimo caso confirmados de novo coronavírus em Macau hoje, de acordo com a análise do paradeiro de dois pacientes 14 dias antes do início dos sintomas e de acordo com a análise da natureza da sua profissão, a 9.o paciente tenha tido um breve contacto com o 8.o caso confirmado, ela também participou de actividade em grupo em grande escala em Zhuhai antes do início dos sintomas, quer dizer, estave em risco de infecção fora de Macau.

O décimo paciente é um condutor de “shuttle bus” da Sociedade de Jogos de Macau, S.A.. Dois casos ainda não foram determinados como casos importados ou locais, porque não foi excluída a possibilidade de infecção pelos passageiros infectados no “shuttle bus”.

O Centro de Coordenação reitera que as medidas adoptadas pelo Governo da RAEM já assumem que exista na comunidade de Macau potenciais portadores da infecção e há risco de transmissão do virus de pessoa a pessoa. Portanto, adoptou-se uma série de medidas para limitar o fluxo de pessoas e minimizar, tanto quanto possível, o risco de infecção.

Caso um residente seja contacto geral com os casos confirmados acima mencionados, deve-se realizar um auto-gestão de saúde, incluindo: lavar as mãos com frequência, prestar atenção a tosser e espirrar, usar máscaras ao sair e prestar atenção às suas próprias condições físicas.

Se se sentir desconforto, recorre ao médico o mais rápido possível.

O Centro de Coordenação apelou também que os residentes não devem estar preocupados e não precisam de recorrer rapidamente ao hospital para fazer o teste, porque, assim pode causar uma estadia mais longa no hospital e aumentar o risco de infecção.

Na reunião, os representantes dos departamentos relevantes do Centro de Coordenação também informaram sobre a acção de comerciantes que efectuam venda paralela através da fronteira e que viajam frequentemente entre Macau e Zhuhai, ordem pública, número de entradas e saídas em vários postos fronteiriços, situação dos ocupantes da Pousada Marina Infante Hotel , situação dos residentes de Macau em Hubei, fornecimento das informações e dos serviços de aconselhamento aos estudantes e aos seus familiares em Macau.

Estiveram presentes na conferência de imprensa: a Secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, Dra. Ao Ieong U, o Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Lei Wai Nong, o Director dos Serviços de Saúde, Dr. Lei Chin Ion, o Director da Direcção dos Serviços de Administração e Função Pública, Dr. Kou Peng Kuan, o Presidente do Conselho de Administração para os Assuntos Municipais, Dr. José Maria da Fonseca Tavares, o Director da DSAL, Dr. Wong Chi Hong, o Director da DICJ, Dr. Paulo Martins Chan, o Médico-Adjunto do Centro Hospitalar Conde de São Januário, Dr. Lei Wai Seng, a Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Hou, o Chefe do Departamento de Planeamento de Operações, Sr. Chio Song Un, o Chefe do Departamento de Fiscalização Alfandegária dos Postos Fronteiriços dos Serviços de Alfândega, Dr. Ian Chan Un, a Chefe do Departamento de Licenciamento e Inspecção da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan e o Chefe do Departamento de Educação, do DSEJ, Dr. Kong Ngai.

Ver galeria

Anexos



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar