197 dias consecutivos sem casos de COVID-19 em Macau | Autoridades analisam o ajuste cauteloso das medidas de prevenção epidémica

Conferência de imprensa regular realizada pelo Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus

O médico adjunto da Direcção do Centro Hospitalar Conde São Januário (CHCSJ), Dr. Lo Iek Long, fez nota que, até ao dia 12 de Outubro, nunca houve uma transmissão comunitária da COVID-19 em Macau e, por 197 dias consecutivos não são registados casos locais de transmissão da COVID-19 (incluindo indivíduos infectados assintomáticos). Já passaram 108 dias sem diagnóstico de casos importados. Macau diagnosticou, até à data, quarenta e seis (46) casos, dos quais, quarenta e quatro (44) são casos importados e só dois (2) são relativos a casos importados. Quarenta e seis (46) pessoas tiveram alta. Não há registo de qualquer infecção entre os profissionais de saúde nem casos mortais. Não há nenhum caso de contacto próximo em observação médica. Na semana de 5 de Outubro a 11 de Outubro foram testadas em Macau 63.635 pessoas.

Em resposta às perguntas levantadas pelos jornalistas, o Dr. Lo Iek Long manifestou que, após a semana dourada, as autoridades começaram a rever todas as actuais medidas de prevenção epidémica, incluindo a instrução de prevenção epidémica como o uso de máscaras em Macau, a prolongação do período de validade do teste de ácido nucleico para efeitos de passagem das fronteiras e as restrições sobre a entrada de estrangeiros em Macau.

As autoridades estão, a tempo inteiro, a realizar estudos e análises tendo iniciado, de forma activa, a comunicação e coordenação com diversos locais e departamentos da China. Por enquanto, não há uma decisão final.

Se houver ajustamentos as informações serão divulgadas no mais curto espaço de tempo possível.

Por outro lado, alguns especialistas prevêem que a situação epidémica possa agravar‑se no outono e no inverno. O Dr. Lo Iek Long afirmou que, de acordo com as características do vírus, essa situação está prevista e é previsível, enfatizando que, as autoridades continuam a estudar e julgar a epidemia com cautela. Ao ajustar e relaxar as medidas, a segurança dos cidadãos será posta na principal consideração. Ao mesmo tempo é feita a análise e consideração da situação em e eventual alteração epidémica em Macau.

Relativamente à observação médica, a Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou referiu que mais 549 indivíduos foram submetidos a observação médica entre os dias 5 e 11 de Outubro. No total, até ao dia 11 de Outubro, foram enviados para a observação médica 15.483 indivíduos. Há, ainda 1.026 indivíduos em observação médica em hotéis designados, dos quais 1.025 em hotéis designados e um (1) em instalações dos Serviços de Saúde.

A Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença dos Serviços de Saúde, Dr.ª Leong Iek Hou anunciou ainda que, tendo em conta a emergência da evolução epidémica da COVID-19 na cidade de Qingdao, província de Shandong, com base na consideração da saúde pública, a partir das00:00horas do dia13deOutubrode 2020, todos os indivíduos que nos 14 dias anteriores à entrada em Macau tenham estadona cidade de Qingdao da província de Shandong, serão sujeitos a observação médica por um período de 14 dias em locais designados, conforme exigências da autoridadesanitária.

O Centro de Contingência alerta que, os infractores podem estar sujeitos a medidas de isolamento obrigatório, além dasua responsabilidade criminal. Os Serviços de Saúde vão tentar identificar indivíduos que estão em Macau, que se tenham deslocado à à cidade de Qingdao nos últimos 14 dias, de modo a acompanhar o estado de saúde até completarem 14 dias desde que abandonaram a cidade de Qingqing.

Os Serviços de Saúde apelam, aos residentes, a suspensão temporária de deslocações desnecessárias à cidade de Qingdao da província de Shandong. Caso contrário, devem adoptar rigorosamente as medidas de prevenção e protecção e evitar deslocar-se aos estabelecimentos de alto risco como o estabelecimento com grande aglomeração de pessoas ou instituições médicas.

No que diz respeito à pergunta relativa às recomendações dos Serviços de Saúde sobre medidas anti-epidemiológicas para reabertura das zonas de churrasco, a coordenadora Dr.ª Leong Iek Hou disse que, tal como acontece em outros locais com eventuais aglomerações de pessoas, os Serviços de Saúde estão a exigir a medição da temperatura corporal para todos indivíduos que entrem em estabelecimentos, exibição do Código de Saúde quando as condições o permitam, evitar a concentração de pessoas em estabelecimentos, entre outras medidas. Os Serviços de Saúde recomendam também que devem ser mantida uma distância de um metro entre os grelhadores para churrasco, os residentes devem sempre usar máscara, excepto durante a alimentação, devendo manter uma distância social de um metro depois de ser removida a máscara.

A Chefe da divisão da Direcção dos Serviços de Turismo, Dra.Lau Fong Chi reportou o número de pessoas em observação médica em hotéis designados. Por sua vez, o Chefe da Divisão de Operações e Comunicações do Corpo de Polícia de Segurança Pública, Dr. Ma Chio Hong, relatou a actual situação da cidade e a situação de entradas e saídas de Macau, entre outros. Estes dois representantes responderam ainda as referidas perguntas levantadas pelos jornalistas.

Estiveram presentes na conferência de imprensa o médico adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, o Chefe da Divisão de Operações e Comunicações do Corpo de Polícia de Segurança Pública, Ma Chio Hong, a Chefe da Divisão de Relações Públicas da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Lau Fong Chi, e a Coordenadora do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar