54 dias sem casos COVID-19 em Macau – Alguns serviços e instalações e reabilitação para os idosos serão retomados em breve

Conferência de Imprensa do dia 1 de Junho

A Vice-presidente do Instituto de Acção Social, Dra. Hoi Va Pou anunciou, segunda-feira, na conferencia de imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, que após consulta dos Serviços de Saúde e de outros sectores, o Instituto de Acção Social reuniu o consenso para a reabertura faseada de algumas instalações e serviços de reabilitação para os idosos. A partir de 8 de Junho, 6 centros de cuidados especiais diurnos para idosos e 5 centros de estimulação do desenvolvimento de pessoas com deficiência mental retomam faseadamente o funcionamento.

Também, a partir de 22 de Junho, 8 centros de serviços de reabilitação para doentes mentais e de reabilitação profissional de pessoas deficientes retomam, por fases, o funcionamento.

A Vice-presidente do IAS indicou que, nas primeiras duas semanas, por dia, será apenas realizado o regresso de um máximo 30% dos usuários do serviço, em cada centro, de modo a receber os serviços de cuidados básicos e de assistência. Na terceira e quarta semana, por dia, será permitido o regresso aos centros, de um máximo 50% dos usuários do serviço. Na quinta e sexta semanas, de forma progressiva, será aumentado o número diário dos usuários do serviço até à retoma normal dos centros.

Todos os centros irão contactar os usuários de serviço, os encarregados de educação ou familiares dos usuários, de modo a arranjar horários concretos e forma de regresso de cada usuário aos centros. O regresso a estes espaços será efectuado de acordo com um conjunto de normas definidas pelos Serviços de Saúde e pelo Instituto de Acção Social: Elaboração de orientações técnicas para a reabertura de instalações; conclusão de realização de teste de ácido nucleico a todos os funcionários dos centros, antes da reabertura; garantia de conclusão de preparação adequada de todos os centros para a retoma do funcionamento, através de formação, orientações técnicas e simulacro, e entre outros.

Os centros que vão retomar os serviços de forma faseada e limitada são: 6 centros de serviços para os idosos, e 13 centros de serviços de reabilitação.

A Dra. Hoi VaPou sublinhou que o Instituto de Acção Social vai continuar a acompanhar de perto a evolução da situação epidemiológica, bem como a situação real do funcionamento de todos os centros e lares, sendo a principal consideração a saúde e a segurança dos utentes, ajustando oportunamente os trabalhos em conformidade com as orientações dos Serviços de Saúde e situação real da epidemia. A Dra. Hoi apelou aos pais e famílias em condições para continuarem a manter os utentes de serviços e crianças no domicílio, para que estes não regressem, por enquanto, ao centro ou lar para receber serviços, a menos que seja mesmo necessário.

Por outro lado, em relação à prestação de serviços amigáveis às crianças por creches subsidiadas, a Dra. Hoi VaPou revelou que após coordenação do Instituto de Acção Social, a despesas da creche subsidiada do mês corrente (Junho) continuam isentas. O IAS encontra-se ainda a recolher as opiniões dos pais das crianças das creches subsidiadas, para que os serviços amigáveis sejam prestados conforme as necessidades e procura. Em caso de desenvolver as medidas amigáveis no futuro, as creches irão cobrar taxas de modo adequado, de acordo com os serviços prestados e organização em concreto. A Dra. Hoi VaPou entende que algumas famílias encontram-se com dificuldades em cuidar das crianças devido a vários factores e que o IAS está a comunicar com as entidades de gestão das creches subsidiadas, a conhecer as dificuldades dos pais, a recolher as opiniões dos Serviços de Saúde, preparando o desenvolvimento dos respectivos trabalhos.

O Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ Dr. Lo Iek Long relatou que, já passaram cinquenta e quatro (54) dias desde que foi diagnosticado o último caso de pneumonia causada pelo novo tipo de coronavírus. Há sessenta e cinco (65) dias consecutivos que não há registo de qualquer caso relacionado com casos importados. Macau tem um total de quarenta e cinco (45) casos diagnosticados, dos quais, quarenta e três (43) são casos importados e dois (2) casos estão relacionados com a casos importados. Não há registo nem ocorrência de transmissão comunitária em Macau. Foram registados quarenta e quatro (44) casos classificados com sintomas ligeiros e um (1) como caso grave. Não foram registados em Macau casos mortais. Todos os doentes recuperaram e tiveram alta. Os indivíduos considerados contactos próximos em vigilância concluíram as medidas de isolamento. Quatro (4) pessoas estão em isolamento de convalescença no Centro Clínico de Saúde Pública;

Nos dias 29, 30 e 31 de Maio, foram realizados um número total de 1,210, 1,242 e 949 testes de ácido nucleico do novo tipo de coronavírus em Macau.

No que diz respeito à ocorrência recente de vários casos locais em Hong Kong, e se a situação vai afectar as medidas de passagem fronteiriça entre Hong Kong e Macau, o Dr. Lo Iek Long respondeu que os governos de três regiões têm mantido comunicação e discutido sobre as medidas de facilitação na passagem fronteiriça. Nesta fase, é difícil determinar se o aparecimento de casos de infecção em Hong Kong afectará ou não o processo de passagem fronteiriça, sendo necessário inteirar-se melhor da situação da área de infecção destes casos locais registados em Hong Kong, assim como da situação da sua propagação, os que constituem como um dos factores de estudo e julgamento dinâmicos.

O Dr. Lo Iek Long referiu que, desde o surto da epidemia até agora há vários meses, as técnicas de testes de ácido nucleico em Guangdong, Hong Kong e Macau foram bem desenvolvidas, com qualidade garantida, por isso, o reconhecimento mútuo de testes de ácido nucleico não é um obstáculo para as medidas de passagem fronteiriça. Relativamente ao ajustamento das políticas da passagem fronteiriça entre as três regiões, os governos têm mantido uma comunicação estreita e desenvolvido as medidas de forma ordenada, o Dr. Lo salientou que com a estabilidade da epidemia em todos os lugares, as relevantes políticas devem ser promovidas de forma gradual, ou seja, serão aplicadas a título experimental aos indivíduos que satisfaçam as condições específicas. Não se espera que todas as passagens fronteiriças sejam reabertas ao mesmo tempo, porque não se encaixa na direção de prevenção e controlo da epidemia.

A Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou, informou que do dia 29 ao 31 de Maio, foram submetidos à observação médica mais vinte e quatro(24) indivíduos, dezanove (19) residentes de Macau e cinco (5) não residentes de Macau. Até ontem (dia 31 de Maio), foram enviados, no total, para observação médica, 4.628 indivíduos, havendo ainda 187 indivíduos em observação médica num hotel designado.

Relativamente às perguntas sobre o teste de ácido nucleico do pessoal de serviços sociais, a Dr.ª Leong Iek Hou respondeu que, se estes profissionais vivem em Macau, só necessitam de efectuar um teste de ácido nucleico antes da entrada de funcionamento de instituição. Para o pessoal dos serviços sociais que vivem em na cidade de Zhuhai, devem receber o teste de ácido nucleico a cada 7 dias, conforme os requisitos transfronteiriços actuais.

Por outro lado, a Chefe de Departamento dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, deu a conhecer o número de pessoas em observação médica em hotéis designados pelo Governo. Aquando da resposta às perguntas colocadas pelos jornalistas, em relação ao regresso de residentes do exterior para Macau, na segunda quinzena de Junho, ela disse que estes indivíduos devem primeiro chegar ao aeroporto internacional de Hong Kong e depois serão recebidos e transportados pelo Governo de Macau, sendo submetidos à observação médica por 14 dias em Macau após o regresso. Os trabalhos ainda estão em negociações com Hong Kong e serão anunciados oportunamente depois de ultimados os pormenores.

Estiveram presentes na conferência de imprensa a Vice- presidente do Instituto de Acção Social, Dra. Hoi Va Pou, o Médico-Adjunto da Direcção do CHCSJ, Dr. Lo Iek Long, a Chefe do Departamento de Licenciamento e Inspecção da Direcção dos Serviços de Turismo, Dr.ª Inês Chan, o Chefe da Divisão de Operações e Comunicações do Corpo de Polícia de Segurança Pública, Dr. Ma Chio Hong, e a Coordenadora do Núcleo de Prevenção de Doenças Infecciosas e Vigilância de Doença do Centro de Prevenção e Controlo da Doença, Dr.ª Leong Iek Hou.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar