Left off-canvas

An off-canvas can hold any content you want.

Close this off-canvas by clicking on the backdrop or press the close button in the upper right corner.

 

Some details

  • Width
    240px
  • Height
    100%
  • Body scroll
    disabled
  • Background color
    Default

Foi aplicada a prisão preventiva à arguida que praticou o roubo de fichas num casino

Relativamente ao caso de roubo de fichas, ocorrido há dias atrás, num casino, sito no Cotai, em que a polícia deteve uma suspeita e um homem suspeito de receptar as fichas roubadas, que foram totalmente recuperadas, foi encaminhado para o Ministério Público para efeitos de investigação.

Segundo o que foi apurado na investigação, na madrugada do dia 24 de Maio, dois homens atacaram um guarda de segurança e um croupier na zona de apostas do casino e fugiram do local com mais de 3 milhões de dólares de Hong Kong em fichas de jogo.

Após investigação aprofundada, a polícia deteve a referida arguida que era responsável pela guarda e descarte das fichas roubadas, tendo-as recuperado no seu quarto do hotel alugado, e também deteve um homem suspeito de ter-se encontrado com a arguida para que fossem trocadas as fichas roubadas, em numerário.

A referida arguida é suspeita da prática do crime de roubo com circunstâncias agravantes, previsto no artigo 204.º, n.os 1 e 2, al. b) do Código Penal, punível com pena de prisão de 3 a 15 anos; o arguido responsável por receptar as fichas roubadas é suspeito da prática do crime de receptação, previsto no artigo 227.º, n.o 1 do Código Penal, punível com pena de prisão até 5 anos ou com pena de multa até 600 dias.

Realizado o primeiro interrogatório judicial dos dois arguidos, tendo em conta a gravidade dos factos e porque os restantes suspeitos não foram ainda detidos, foi decretada pelo Juiz de Instrução Criminal, sob a promoção do Delegado do Procurador, a aplicação de medida de coacção de prisão preventiva e de prestação de caução à arguida e ao arguido, respectivamente, a fim de se evitar o perigo da fuga de Macau, da continuação da prática de actividade criminosa e da perturbação da ordem e tranquilidade pública.

Ao abrigo do disposto no Código de Processo Penal, o respectivo inquérito será devolvido, oportunamente, ao Ministério Público, para continuação das diligências de investigação incluindo a de deter os outros suspeitos em fuga.



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar