Desenvolvimento das indústrias culturais foi tema abordado com as e associações empresariais juvenis

Desenvolvimento das indústrias culturais foi tema abordado com as e associações empresariais juvenis 1

O tema de como Macau deverá coordenar com a construção da Grande Baía e encorajar os jovens ir desenvolver as indústrias culturais nas regiões da Grande Baía, foi abordado no encontro entre o Conselho de Administração do Fundo das Indústrias Culturais (FIC) e os representantes de diversas associações empresariais juvenis, designadamente: a Associação dos Jovens Empresários de Macau, Bank of China Macau Branch Youth Association, Macao Association of the Thirteen Hongs for Culture and Trade Promotion e Associação de Promoção das Indústrias Culturais Chinesas, no passado dia 30 de Março, à tarde, no Centro de Design de Macau. Enquanto uns representantes sugeriram os empresários nas indústrias culturais focar a estratégia comercial e reforçar a divulgação, os participantes provenientes do sector bancário apelaram pela atenção sobre a capacidade de devolução de empréstimos de emprestadores, e a possibilidade de utilizar os direitos de propriedade como a hipoteca para os empréstimos, foi proposto para o estudo.

No encontro, o Presidente do Conselho de Administração do FIC, Leong Heng Teng, fez uma apresentação resumindo o desenvolvimento das indústrias culturais, os actuais trabalhos de prestação de apoio financeiro do FIC, incluindo a incubação mediante as plataformas de serviço; como sequência da revisão do respeitante regulamento administrativo, o FIC irá reforçar o intercâmbio e cooperação tanto com as entidades congéneres locais como as do exterior, no sentido de impulsionar o desenvolvimento da diversificação adequada da economia, com destaque à cooperação com o Interior da China, inclusivamente: o fomento de contactos das empresas locais com o Interior da China, ao mesmo tempo de estimular as suas empresas a vir a Macau para parcerias de negócios.

Houveram jovens que expuseram opiniões sobre o desenvolvimento dos sectores musicais e cinematográficos de Macau, propondo ao FIC considerar a devida inclinação na estratégia atendendo à evolução real dos sectores, e, para que possam promover as obras e produtos de Macau contando, também, com a cooperação da comunicação social e plataformas. Participantes do encontro referiram ainda que, de facto, Macau há muitos talentos e empresas potenciais. No entanto, ao longo do procedimento, a importância da divulgação foi esquecida. Falando do investimento dos sectores de prestação de serviços, cerca de 30% do investimento terá de ser aplicado na promoção e divulgação, pelo que se propõe que o FIC preste maior apoio às empresas para a parte da divulgação comercial, fortificar as instruções da estratégia de marketing às empresas, sobre como promover melhor os produtos de criatividade cultural de Macau. Experiências foram partilhadas por uns representantes jovens, recomendando a necessidade de construir devidamente a sua propriedade intelectual, cultivar melhor as estórias de Macau, utilizando os elementos locais caracterizados, podendo tomar como referência como o Palácio Imperial desenvolve os seus produtos culturais e criativos. Caso estejam interessados em ir desenvolver os negócios ao Interior da China, poderão aproveitar, possivelmente, a nova mídia, por exemplo, o website “douyin.com”, como um dos meios de divulgação.

Personalidades provenientes do sector bancário ressaltaram a questão da capacidade de devolução de empréstimos dos empreendedores das indústrias culturais, explicando que, para o banco decidir se valeria a pena a angariação de fundos de um projecto, de modo geral, avaliam-se tanto a credibilidade como a capacidade de restituição de empréstimos da empresa, inclusivamente, as fontes de rendimentos e a hipoteca. Para o desenvolvimento sustentável das indústrias culturais, uma das saídas necessárias seria a formação de marcas. Quando as marcas forem desenvolvidas de um modo estável, sugere-se ao Governo da RAEM efectuar estudos sobre o financiamento cultural, utilizando a marca ou os direitos de propriedade como a hipoteca, no sentido de fazer aumentar oportunidades de angariação de fundos.

O Presidente Leong agradeceu as associações empresariais juvenis por terem tido trabalhado no sentido de estimular os jovens a dedicar-se ao empreendedorismo. Ao longo do procedimento de evolução das indústrias culturais, foi verificado um passo significante, das empresas culturais, desde a timidez em avançar para as áreas e sectores das indústrias culturais até à própria vontade de investimento, e à actual fase de ir ao exterior à procura de oportunidades e parceria. O FIC tem vindo a observar e acompanhar a evolução do mercado, e lançou, por isso, programas específicos de apoio financeiro, no intuito de ajudar a criar melhores condições para o avanço ao exterior dos sectores profissionais relacionados. Relativamente à divulgação, o FIC concorda a necessidade de reforçar, pelo que nos programas específicos de apoio financeiro lançados, foi definido que os projectos beneficiários deverão aplicar uma determinada percentagem das verbas de apoio para a promoção e marketing, integrar os meios promocionais online e offline. O FIC até incentiva a exploração de produtos derivados; a utilização não só dos meios tradicionais, como a televisão, mas, ainda da nova mídia, de implementar publicidades e obras audiovisuais, de prestar serviços de duas vias, rumo à exportação de produtos. Na medida da publicação das Linhas Gerais do Planeamento para o Desenvolvimento da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau, acredita que, futuramente, haverá muitas oportunidades de discutir sobre a parte da angariação de fundos pelos direitos de propriedade, no âmbito das indústrias culturais.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar