Serviços de Saúde: dois novos casos de Rubéola

Os Serviços de Saúde foram notificados, a 3 de Maio, para dois novos casos de Rubéola.

Desde o início de 2019 foram diagnosticados 33 casos de Rubéola.

O primeiro caso foi diagnosticado num homem de 41 anos, residente de Macau e trabalha no Casino Landmark. O paciente, na noite de 28 de Abril, apresentou dores de cabeça, dores nas articulações dos membros e erupções cutâneas na perna tendo recorrido ao Primeiro Health Care, situado na Avenida de Artur Tamagnini Barbosa e ao Centro de Saúde da Ilha Verde no dia 29 de Abril. O paciente deslocou-se ao Serviço de Urgência do CHCSJ no dia 2 de Maio para tratamento.

Em 3 de Maio, os resultados dos testes laboratoriais, através de PCR, deram positivo para rubéola. Actualmente, o paciente ainda apresenta erupções cutâneas, sem febre, sendo o estado de saúde considerado normal. O paciente nasceu no Interior da China e o seu historial de vacinação de Rubéola é desconhecido. No período da incubação, visitou os familiares em Zhong Shan do Interior da China.

O segundo caso foi detectado num homem com 48 anos de idade, topógrafo, residente de Macau. No dia 22 de Abril, durante uma viagem ao exterior manifestou sintomas de calafrios e fadiga. Em 23 de Abril, apresentou febre e erupções cutâneas e recorreu a um centro médico local. No dia 30 de Abril regressou a Macau e no dia 2 de Maio recorreu ao Serviço de Urgência do Centro Hospitalar Conde de São Januário. No dia 3 de Maio, os resultados dos testes laboratoriais, através de PCR, deram positivo para rubéola. Neste momento, o paciente já não tem febre nem erupções cutâneas, sendo o estado de saúde considerado normal. O paciente nasceu em Hong Kong e o seu historial de vacinação de Rubéola é desconhecido. No período da incubação, deslocou‑se em missão oficial de serviço à região do Leste do Interior da China.

Os familiares de ambos doentes não apresentaram sintomas semelhantes. Os Serviços de Saúde estão a acompanhar o estado de saúde das pessoas que tiveram contacto com os doentes durante o início da doença.

Os Serviços de Saúde apelam a todos os profissionais de saúde, instituições de saúde, população e, em especial, grávidas não vacinadas com a vacina tríplice (MMR) para tomarem as devidas precauções.

A Rubéola é uma doença transmissível aguda do trato respiratório provocada pela infecção da Rubéola e transmite-se principalmente através do contacto com as secreções do nariz e da garganta dos doentes, propagando-se a infecção mediante a inalação de gotículas de saliva ou contacto directo com doentes.

O período de incubação varia de 12 a 23 dias, sendo normalmente de 14 dias. A Rubéola possui alta contagiosidade.Uma semana antes de apresentar exantema os doentes podem já estar contagiados. As crianças infectadas apresentam febre, exantema corporal e inflamação dos gânglios linfáticos, enquanto os adultos apresentam dores de cabeça, tosse ligeira, conjuntivite e 1 a 5 dias de febre ligeira, surgindo, em seguida, também erupção na pele, como nas crianças, até 5 dias. Alguns dos infectados não manifestam erupção cutânea.

ALERTA IMPORTANTE: as grávidas, sem anticorpos, caso sejam infectadas pela Rubéola nas primeiras 16 semanas do parto, podem causar aborto, morte fetal ou os recém-nascidos apresentarem síndroma da Rubéola congénita. As manifestações da síndroma da Rubéola congénita abrangem surdez, defeitos oculares, doença cardíaca congénita ou retardo mental, entre outras.

De forma a prevenir a infecção da rubéola, os Serviços de Saúde recomendam as seguintes medidas à população:

  1. A inoculação da vacina tríplice (MMR) é a maneira mais eficaz de prevenir o vírus da Rubéola, mais de 95% dos vacinados podem produzir anticorpos.Os Serviços de Saúde apelam aos pais para o cumprimento do Programa de Vacinação, devendo os residentes com idades compreendidas entre um (1) e os 17 anos cumprir o Programa de Vacinação dos Serviços de Saúde. Após um (1) ano de idade e depois da primeira dose, deve ser administrada a 2.ª dose da vacina MMR.Os indivíduos residentes de Macau que ainda não tenham sido vacinados podem recorrer aos centros de saúde para administração da vacina gratuitamente.As mulheres em idade fértil que não tenham tido rubéola, ou não tenham sido vacinadas contra rubéola, devem deslocar-se ao Centro de Saúde para lhes ser administrada a vacina, sendo esta gratuita para os residentes de Macau.
  2. Dado que a vacina MMR é uma vacina viva, as mulheres grávidas não podem ser vacinadas, e as mulheres em idade fértil devem evitar engravidar durante três meses após a vacinação. Mulheres grávidas ou com intenção de engravidar sem imunidade contra Rubéola não são aconselhadas a viajar a zonas afectadas pela Rubéola;
  3. Não viajar com crianças que não tenham completa imunidade para viajar ao exterior ou para lugares lotados com visitantes;
  4. Determinadas pessoas devem ser vacinas quando necessário, em especial cuidadores de gestantes;
  5. Prestar atenção à cortesia do tracto respiratório, não tocar nos olhos, nariz e boca antes de lavar as mãos;
  6. Pessoas imuno-comprometidas devem evitar deslocar-se a locais lotados ou instituições médicas;
  7. Em caso de manifestação de sintomas suspeitos, usar máscara e recorrer a uma consulta médica.

Em caso de dúvidas, os residentes podem aceder à página electrónica dos Serviços de Saúde (http://www.ssm.gov.mo) ou ligar para a linha verde 2870 0800.



Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar