Identificado caso adverso após inoculação de vacina no dia 16 de Novembro


O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus informa que registado um caso adverso após a inoculação de uma vacina contra a COVID-19, terça-feira (dia 16 de Novembro de 2021) num homem de 24 anos de idade.

No dia 13 de Novembro cerca das 18h00 apresentou febre e dores de cabeça e recorreu a tratamento médico no Serviço de Urgência do Centro Hospitalar Conde de São Januário. Após tratamento terapêutico teve alta. No dia 14 de Novembro, continuou com febre, temperatura corporal de 39,6° C e dores no peito. Às 16h00 do dia 15 de Novembro, devido à febre persistente e dores no peito, recorreu a tratamento médico do Serviços de Urgência do Hospital Kiang Wu.

O eletrocardiograma mostrou alterações anormais e o resultado da análise de sangue mostrou que a Troponina T cardíaca (Cardiac troponin T---TnT) estava significativamente elevada, o que indiciava um lesão miocárdica. O doente foi diagnosticado com miocardite. Por isso, foi internado no mesmo hospital naquela noite para efeitos de diagnóstico e tratamento adicionais. As dores no peito do paciente diminuiram um pouco após o tratamento e a sua condição clínica foi considerada normal. Como tinha sido vacinado com a segunda dose da vacina de mRNA BNT na noite do dia 12 de Novembro, esse caso será encaminhado ao “Grupo de Trabalho de Avaliação de Eventos Adversos após a Inoculação da Vacinas contra a COVID-19” para efeitos de análise e discussão.

A miocardite é uma inflamação do músculo cardíaco, enquanto a pericardite é uma inflamação do revestimento em redor do coração. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, as evidências actuais demonstram que pode haver uma relação causal entre a vacina de ácido ribonucleico mensageiro (mRNA) contra a COVID-19 e a miocardite, que ocorre geralmente alguns dias após a vacinação, com mais frequência em jovens adultos do sexo masculino e após a administração da segunda dose. Na maioria dos casos, os sintomas dos pacientes são ligeiros e a recuperação tende a ser relativamente rápida após repouso ou medicação.

Caso se manifestem sintomas de miocardite ou pericardite após a vacinação, tais como opressão e dores torácicas agudas e persistentes, dispneia ou palpitações, deve recorrer de imediato ao médico. Dentro de uma semana após a inoculação da vacina de mRNA – BNT, os residentes devem evitar sempre que possível a prática de exercício físico intenso.

É importante frisar que a infecção pela COVID-19 pode levar a complicações sérias e até mesmo à morte.

A administração de vacinas contra a COVID-19 pode prevenir eficazmente a infecção e evitar o risco de doenças graves e morte. Os benefícios da vacina superam largamente os riscos potenciais, pelo que se apela à população para vacinar-se de forma activa, no sentido de criar uma barreira de imunidade colectiva.

De acordo com a definição da Organização Mundial da Saúde, entende-se que evento adverso após vacinação são todos os eventos que após a vacinação provoquem infecção negativa à saúde, esses eventos têm a ver com o tempo (ocorrência após a vacinação), mas não há necessariamente uma conexão causal.

Os eventos adversos após a vacinação são causados pela vacina (como vermelhidão, calor e dor após a vacinação, reações alérgicas, etc.), pelos factores psicológicos, como ansiedade (não relacionados com a natureza da própria vacina) e eventos de coincidência (outras doenças ocorreram logo após a vacinação, mesmo que a vacina não seja administrada), erros nos procedimentos de produção ou uso da vacina, como erros na produção, transporte, armazenamento ou processo de inoculação da vacina (não relacionados com a natureza da própria vacina), incerteza ou casos que requerem análise de especialistas para encontrar a causa.

A ocorrência de eventos adversos após a vacinação não equivale aos efeitos secundários da vacina. As duas situações são diferentes. Até que os especialistas consigam determinar a relação causal entre o evento e a vacina, não é possível julgar precipitadamente que o evento foi causado pela vacina. Desde a introdução da vacina no mercado, que foi criado um sistema de monitorização para efeitos de observação. Nestas situações a Organização Mundial de Saúde também tem um conjunto de procedimentos e critérios rigorosos, incluindo a uniformidade, intensidade relativa, especificidade, correlação de tempo de evento, racionalidades biológicas, etc.

Com o avanço da vacinação contra a COVID-19, os Serviços de Saúde criaram o Grupo de Trabalho de Avaliação de Evento Adverso após a Inoculação da Vacinas contra a COVID-19, composto pelos representantes provenientes de várias áreas profissionais médicas. Ao decorrer eventos adversos graves da pessoa vacinada, este grupo irá analisar e avaliar o seu nexo de causalidade, de modo a reforçar o trabalho de monitorização e acompanhamento na vacinação da vacina contra a COVID-19 em Macau.

Ver galeria


Há algo de errado com esta página?

Ajude-nos a melhorar o GOV.MO

* Campo obrigatório

Enviar